Voila Marques - a "nossa primeira" contrabaixista

Ir em baixo

Voila Marques - a "nossa primeira" contrabaixista

Mensagem por Tarcísio Caetano em Seg Mar 11, 2013 10:03 am

Mais uma da série "Contrabaixistas profissionais do Fórum Contrabaixo Br".
Para quem não sabe, Voila Marques, além de tudo o que ela dirá abaixo, sempre desenvolveu um trabalho espetacular junto ao acervo técnico deste Fórum. É com um grande prazer que repasso a vocês a 'entrevista' que fiz junto a ela up
Para aqueles que curtem ou amam o contrabaixo acústico, esta entrevista é um prato cheio e saboroso, por demais.

1) Conte um pouco de sua infância. Onde você nasceu? Onde viveu? Estudou - formação? Família – pais, irmãos? Casado? Tem filhos? Quantos anos têm hoje?

Nasci no Rio. Sou carioca de nascimento e de “vivemento”.
Sou bacharel em contrabaixo pela UFRJ, formada na classe do prof. Sandrino Santoro, com uma medalha dita de ouro, que nunca deixou de ser de papel...

Vou fazer meio século de vida este ano, e parafraseando o grande Francis Hime, sem alarde, só com a carteira de identidade, nenhuma saideira e muitas saudades...

Minha família é formada por pais, irmãos, marido, filhos, sobrinhos e dois contrabaixos: a Margueritta e o Raphaello.

Tenho dois filhos fofosos, gatosos e boxocotosos: um quer ser guitarrista roqueiro e tem muita facilidade para decorar letras e textos; a outra tem o dom de cantar bem e dançar bem, mas quer ser médica quando crescer. O tempo é quem se encarregará de tornar o futuro presente, seja ele qual for...

Sou casada com o Aurélio Boss2K – ex-contrabaixista profissional e analista de Tecnologia da Informação - há pouco mais de dois anos.
Mesmo com um casamento interestadual - eu no Rio e ele em Brasília -, ele me dá todo apoio e assessoria nos meus projetos contrabaixísticos: livros, aulas, peças de teatro, etc.

Tenho uma família ótima e meus pais são tudo de bom para mim e para os meus filhos. Falo com eles todos os dias. Eles são e serão sempre inesquecíveis...

2) Com quantos anos descobriu a música? Onde e com quem? Como foi esta experiência?

Mesmo com pais que ouviam muita música em casa, descobri “oficialmente” a música numa escola pública - numa época em que as escolas públicas eram realmente boas -, através de uma professora de música mineira dedicadíssima, profª Aída, com quem aprendi os primórdios da Música, tocando flauta-doce.
Depois passei para a flauta transversal e, no momento conflitante de escolher uma carreira no vestibular, entre Ciências Sociais (para depois fazer Antropologia) e Música, eu acabei optando pela última, e passei para o curso de Flauta Transversal, na UFRJ.

3) Como foi sua descoberta do contrabaixo? Quantos anos tinha? Conte-nos sobre isso.

Assim que entrei na UFRJ, constatei que detestava a flauta. Ela era para os outros, não para mim.
Para ser meu instrumento, tenho que sentir o aconchego do som, o sorriso das descobertas. E o som da flauta me distanciava dela a cada nota.
Um dia, com 18 anos, fui assistir uma aula de contrabaixo do Sandrino, e me encantei pelo contrabaixo.
Dias depois, comuniquei a ele minha decisão. Ele riu e ainda disse que eu acabaria trocando para o violoncelo rapidinho.
O Sandrino é dono de uma intuição incrível mas, felizmente, as antenas dele falharam...

4) Como foi sua educação ou aprendizado do contrabaixo? Teve professores? Se sim, quem foi (foram), por quanto tempo e como foi esta experiência – se dava bem com seus professores, foram bons mestres? Se não teve – por quê?

Meu aprendizado ocorreu sem traumas, mesmo não tendo uma referência carioca feminina no contrabaixo...
Quando comecei a estudar o contrabaixo, o Sandrino brincava, dizendo que eu era a “prima-donna” do contrabaixo no Rio.
Tempos depois, soube da existência de algumas contrabaixistas em outros estados, mas nunca me importei em frequentar um meio quase que exclusivamente masculino.
O machismo era tanto, que ouvi uma vez um colega contrabaixista me contar que, ao perguntarem sobre mim, alguém respondeu: “A Voila? Ela toca que nem homem!”.

Assim que comecei o contrabaixo, tranquei o curso de flauta e só o reabri para fazer a habilidade específica em contrabaixo e mudar de curso. Penso que foi uma das melhores decisões que tomei na vida, além da de vender a flauta, hahaha!

Tive a sorte e a honra de estudar com o Sandrino até me formar.
Durante o curso na universidade, namorei o - então talentosíssimo aluno de contrabaixo - Antonio Arzolla, e me casei com ele depois de quase seis anos de namoro.
Convivi com ele durante 17 anos e meio, e ele foi meu segundo professor de contrabaixo - antes mesmo dele se tornar professor da Uni-Rio - e acompanhei todo o processo dele de aluno até ser o contrabaixista renomado que é.

Fiz muitos cursos, masterclasses e aulas com os contrabaixistas: Gary Karr (EUA), Ricardo Cândido (RJ), Massimo Giorgi (Itália), Wolfgang Guttler (Alemanha), David Murray (EUA), Hans Roelofsen (Holanda), Tibô Delor (França), Milton Masciadri (EUA), Ed Barker (EUA), Thierry Barbé (França), Jeff Bradetich (EUA), entre outros.

Acredito na arte e na técnica de ensinar, e sei que cada músico faz sua estrada. Acho que a função social da Música começa no seu aprendizado.
Cada professor de contrabaixo foi uma pedra que enfeitou o meu caminho mas, quando paro para pensar neles, vejo que se tornaram estrelas para mim, mesmo em vida.
Os contrabaixistas ocupam o céu e a terra na minha vida.

5) Quando decidiu ser músico profissional ou seguir a carreira de músico? O que te motivou a tomar esta decisão? E o que fez ou passou a fazer para conquistar este “status”?

Decidi ser musicista profissional assim que entrei para a faculdade, mas não foi algo consciente. Foi meio mágico. Eu disse para a minha mãe: “mãe, vou ser musicista e não ou ser rica”. Para isso, eu só fiz estudar, e as portas foram se abrindo. Sempre tive um apoio incondicional dos meus pais para ser contrabaixista. Tenho pais com alma de artista, que a vida não deixou assumir...

Com seis meses de contrabaixo, passei no concurso para a Orquestra Sinfônica Jovem da Funarj, e a ganhar com isso uma bolsa de, na época, três salários mínimos, e a ensaiar três tardes por semana.
Era uma orquestra jovem, regida por um excelente maestro, o saudoso Davi Machado, com compromissos musicais profissionais e políticos, já que era uma orquestra patrocinada pelo governo.
Foi o meu primeiro emprego e também o meu primeiro contato com a rigidez disciplinar de uma orquestra.
Logo no primeiro ano, fizemos um ciclo com todas as Sinfonias de Beethoven, no Theatro Municipal do Rio de Janeiro, com concertos memoráveis. Parecia uma orquestra profissional.

6) Como foi sua vida a partir do momento que decidiu seguir a carreia de músico profissional? O que teve que abandonar e o que teve que incorporar ao seu dia-a-dia? Já viajou para o exterior para tocar? Como foi? Faça um paralelo entre suas experiências no Brasil e no exterior.

Com 24 anos eu já era contrabaixista concursada da Orquestra Sinfônica Brasileira, cargo que ocupei por 19 anos. Nessa época, eu estava quase terminando a faculdade, ensaiando na orquestra de segunda a sábado, com vários concertos ao mês, viagens e turnês, e ainda tocava na Orquestra de Câmara de Niterói.
Com a OSB eu conheci praticamente os teatros do Brasil inteiro e fiz uma turnê para Nova York. As outras duas vezes em que estive nos EUA foram para assistir às convenções maravilhosas da International Society of Bassists (ISB). Estive na Holanda para fazer um curso com o contrabaixista Hans Roelofsen, quando aproveitei para dar um mini rolé em Frankfurt, na Alemanha.

Desde que me “profissionalizei”, passei a perder todas as manhãs inúteis ou só minhas, e incorporei as rotinas de ensaios de orquestra, por vezes bem exaustivos. Tocar em orquestra me ensinou a ter uma concentração acima da média no trabalho e nas coisas que faço fora dele.

Minha experiência no exterior foi muito curta para que eu possa fazer um paralelo com as experiências no Brasil, mas o que pude constatar foi que os contrabaixistas brasileiros, além de talentosíssimos, muitas das vezes estão entre os melhores alunos e/ou profissionais lá de fora.

7) Fale-nos sobre a sua experiência como professora de contrabaixo.

Comecei a participar e a dar aulas de contrabaixo, primeiramente como monitora da classe do Sandrino.
O “instinto” de professora sempre me acompanhou. Quando ainda era monitora na UFRJ, o Sandrino me perguntava o que achava dele tocando essa ou aquela peça para os recitais que ele dava.
Uma vez, ele confessou que gostava de perguntar para mim, porque eu era a única pessoa que tinha coragem de dizer para ele o que achava, pois todos pareciam ter medo dizer as coisas para ele.

Fui professora de contrabaixo da Escola de Música Villa-Lobos por 17 anos.
Dar aulas me fez perder algumas noites de sono, tentando entender problemas técnicos e musicais de alunos, e muitos domingos de ensaios com alunos e orquestra de contrabaixo.
Dar aulas também me fez incorporar o hábito de analisar problemas contrabaixísticos em mim e nos outros. Ouvir contrabaixistas maravilhosos me anima; ouvir problemas me instiga.

Na Escola de Música Villa-Lobos, comecei a minha longa série de “Oficinas de contrabaixo”, com aulas de duas horas de duração –duas a três aulas por semestre – em que abordava sobre a história, peculiaridades, acessórios, som do contrabaixo e mercado de trabalho para contrabaixistas, para um público de até 130 alunos iniciantes que ainda iriam escolher um instrumento para estudar.

E essa experiência, somada à de dona de comunidade de contrabaixista no Orkut, me fez ter a ideia de desenvolver as “Orientações contrabaixísticas”, para tratar de problemas contrabaixísticos de contrabaixistas sem acesso a um professor.
Com o desenrolar do projeto, descobri que as orientações poderiam ser estendidas a contrabaixistas com professor, a professores e fãs do contrabaixo e veio a ideia do livro, que está todo escrito e na difícil fase de ilustração.
Ele não será um método, mas uma espécie de manual, com orientações técnicas, musicais, profissionais, “filosóficas”, comerciais e sobre manutenção do contrabaixo e acessórios, etc. Com sorte, ele estará no mercado em 2014.

8.) Como é (era) sua rotina diária? Você tem um plano de estudos? Se sim, como é e por quê? O que você recomendaria como pontos mais importantes a serem abordados em uma rotina de estudos?

Depois do nascimento dos meus filhos, a rotina passou a ser algo imprevisível e improvisável...

Meu plano de estudos - quando consigo fazê-lo - é assim: cordas soltas com arcadas variadas, para aquecer; estudo de mão esquerda numa mesma posição e numa mesma corda, com arcadas variadas - para aquecer; estudo de mudança de posição com variação de dedilhado, corda e variantes rítmicas e de arcadas; estudo de escalas, arpejos e intervalos com variação de dedilhados, corda, ritmo e arcadas; um estudo técnico; uma música (ou mais) ou trecho dela. Se precisar, partes de orquestra.

O meu plano de estudos segue uma “ordem”:
Corda solta: serve para aquecer o braço direito e a mão direita, e também para trabalhar o movimento do arco com as variantes rítmicas, de articulação e de arcadas.
Mão esquerda na mesma posição: aquecimento com a mão esquerda no mesmo lugar só fazendo exercícios para os dedos, começando devagar intercalando corda solta com uma nota presa, depois uma corda solta e duas notas presas, depois uma corda solta e três notas presas.
Todos esses exercícios devem ser feitos com variantes rítmicas e de arcada, para não cansar, e devem ter intervalos a cada minuto ou menos de exercícios, para não sobrecarregar os tendões e articulações. Com as variantes de ritmo, de articulação e de arcada, é possível estudar também o movimento do arco.
Depois disso, faço sequências de três notas presas com dedilhados alternados, e aí, passo para os exercícios com quatro notas presas. Todos esses exercícios devem ser feitos com variantes rítmicas e de arcada, para não cansar, e devem ter intervalos a cada minuto ou menos de exercícios, para não sobrecarregar os tendões e articulações. Com as variantes de ritmo, de articulação e de arcada, é possível estudar também o movimento do arco.
Mão esquerda fazendo mudança de posição: escolho uma sequência de notas na 1ª corda (sol): lá-si/lá dó/lá-ré, por exemplo, aí faço um dedilhado variado com alternância de dedos.
Todos esses exercícios devem ser feitos com variantes rítmicas e de arcada, para não cansar, e devem ter intervalos a cada minuto ou menos de exercícios, para não sobrecarregar os dedos, tendões e articulações. Nas primeiras vezes que esse exercício for feito, só dá para fazer uma pequena parte dele, porque o dedo “queima”. Com as variantes de ritmo, de articulação e de arcada, é possível estudar também o movimento do arco.
Aplicação dos exercícios em escalas, arpejos e intervalos: com variantes de ritmo, articulação e de arcada. Depois, dou continuidade a esse trabalho com um estudo técnico e com uma música;

Sobre os pontos mais importantes a serem abordados numa rotina de estudo, bem, são tantos!...
Penso que precisão dos dedos, clareza das notas e das articulações, maleabilidade, volume e beleza do som, flexibilidade no manuseio do arco, precisão da afinação, um vibrato bonito e uma interpretação expressiva e consciente são tudo de “bão”!

Mas essa “utopia” toda deve ser estudada por partes. O importante é que cada estudo tenha um ou dois objetivos específicos. Os outros são objetivos complementares.
E tão importante quanto isso é intercalar esses objetivos. Alguns desses objetivos aparecem naturalmente ou com a continuidade dos estudos, outros precisam ser mais trabalhados e talvez alguns sejam quase inatingíveis para alguns contrabaixistas.
Com o tempo, todo o contrabaixista deveria saber onde estão os seus problemas e os seus trunfos, porque assim os resultados são mais conscientes, tanto do que se faz, quanto do que ainda não se faz.

9) Em sua opinião, quais são os pontos importantes para ser um músico profissional respeitado? E o que não se deve fazer/agir de jeito nenhum? Se fosse um produtor, que tipo de baixista procuraria contratar?

No meio erudito, o músico que se atrasa a ensaios e concertos, que não sabe ficar em silêncio durante os ensaios, que brinca durante os ensaios, que não tem as músicas prontas ou semiprontas a partir do segundo ensaio, é malvisto.

O problema é que muito estudante de contrabaixo pensa que, por ser estudante, pode chegar atrasado a ensaios da orquestra da universidade, faltar concertos, etc.
Muitas pessoas que me chamaram para cachês ao longo da minha vida contrabaixística, foram contatos feitos durante a época em que ainda era aluna.

Depois que você “mela” a sua imagem como aluno, é muito difícil alguém te chamar para fazer substituições ou cachês em orquestras semiprofissionais, e menos ainda em orquestras profissionais. O mesmo acontece com o mal profissional: dificilmente será chamado para cachês, porque muitos desses cachês são substituições, em que o contrabaixista que está chamando é totalmente responsável por quem ele chama. E quem quer se arriscar?

Para ser respeitado, o músico precisa ter responsabilidade. É essa responsabilidade que o fará estudar, tocar, chegar na hora certa para ensaios e concertos, prestar concursos, cumprir seus compromissos profissionais, e ser chamado para cachês. É essa responsabilidade que dará a ele o direito de reclamar pelos seus direitos.

Outro ponto que considero importante é o de respeitar os outros. Uma orquestra depende de carregadores de instrumentos, de montadores e inspetores de orquestra, etc.
Uma escola de música depende de faxineiros, telefonistas, secretárias, etc.
Ser educado e gentil com todos não costuma ser difícil e torna o ambiente de trabalho mais tolerável, já que aguentar a falta de educação e de tolerância e, por vezes, a falta de talento de alguns colegas e maestros é uma coisa bem mais difícil de fazer, mas necessária.
Felizmente, algumas orquestras estão mais fortes e menos tolerantes ao desrespeito de seus dirigentes fixos e/ou convidados.

Já vi contrabaixista encrenqueiro(a) não ser chamado(a) ou indicado(a) para cachês por nenhum colega contrabaixista.

Aprendi outra coisa importantíssima no âmbito orquestral, e essa lição me foi passada por um flautista – Murilo Barquette - bem antes de eu sonhar em ser contrabaixista: jamais reclamar de alguma coisa para o colega que esteja tocando errado, a não ser que você tenha muita intimidade com esse colega. Os egos são exacerbadíssimos nesse meio.
Ou você toca como você acha que tem que ser, assim como quem não quer nada, num intervalo, e espera que o colega te note no meio do burburinho orquestral, ou torce para que o colega se manque, ou pede prá Deus te dar muita paciência para aguentar mais essa provação.

Bem, não sou produtora, mas já precisei chamar colegas contrabaixistas para trabalho. Prefiro os que tocam bem, que são responsáveis, educados e.. disciplinados.
Já vi contrabaixistas que tocam bem, são responsáveis e educados, mas que não têm disciplina alguma para tocar em orquestra.
Em orquestra existe hierarquia e disciplina. Não adianta querer fazer perguntas diretamente para o maestro: as perguntas são feitas ao chefe de naipe.
Aquele vestido longo com decotes sinuosos e aquela minissaia poderosa não servem para tocar no concerto, porque o foco da orquestra é a música e não as pernas ou o colo das musicistas.
O jeito é deixar o longo gostoso e a minissaia assanhada para quando você fizer parte do público, ou para aquele strip-tease, à la Jessica Rabbit, para os olhos que o mereçam...

10) O que se deve levar para um show – um baixo ou mais? Encordoamentos, cabos – quantos? Partituras/cifras das músicas, mesmo se sabe de cor?

Mesmo não sendo o João Gilberto, às vezes precisamos levar o banquinho e o contrabaixo, bem acompanhados do arco, resina e afinador.
Como as cordas do acústico são bem resistentes e grossas, nunca vi contrabaixista com cordas sobressalentes na capa.
Quando toco com captador, costumo levá-lo acompanhado do cabo banana.

Dificilmente é necessário levar mais de um contrabaixo para as apresentações.
Isso só costuma acontecer, e bem raramente, se houver necessidade de usar afinações diferentes no contrabaixo.
Por exemplo: se o contrabaixista vai fazer um solo com orquestra, provavelmente ele estará usando a afinação de solo, com o encordoamento um tom acima (lá-mi-si- fá sustenido).
Ele tocará em Dó M e o contrabaixo soará em Ré M e a orquestra estará em Ré M.
Esse tipo de afinação serve para “economizar” as posições um pouco mais agudas, já que o contrabaixo soará mais agudo, e é usada desde o Classicismo, para deixar o som do contrabaixo mais brilhante.

Se o contrabaixista solista ainda precisar tocar depois na orquestra, como contrabaixista de orquestra – o que é bem raro- ele precisará de um contrabaixo com afinação de orquestra (sol-ré-lá-mi) porque, se ele tentar abaixar a afinação do seu contrabaixo em afinação de solo (um tom acima) será um desastre.
Aí, ele precisará de dois contrabaixos, mas provavelmente um deles, o de orquestra, já estará no local do concerto, bastando somente que ele leve o contrabaixo de solo.

A maioria dos concursos de orquestra para contrabaixo pedem peças de confronto usualmente tocadas com afinação de solo, e na hora de tocar as passagens orquestrais elas, em princípio, deveriam ser tocadas com afinação de orquestra.
O contrabaixista precisa se informar se a prova poderá ser feita num só instrumento, com afinação de solo.
Normalmente pode, mas é imprescindível perguntar isso, para evitar problemas com a passagem de uma afinação para outra no mesmo contrabaixo, que é reprovação no concurso na certa.

Na orquestra, sempre tocamos com partitura, mesmo que a música já esteja de cor.
Eventualmente, tocamos de cor alguma música do repertório usual da orquestra quando o maestro faz a apresentação da orquestra ou quando chama alguém do público para regê-la.
Quando o uso da partitura é opcional, tudo depende da sua segurança em tocar sem ela. Contrabaixistas de orquestra não têm muito o hábito de tocar sem partitura.
Nas duas vezes em que solei concertos de contrabaixo com orquestra, a música já estava de cor mas, mesmo assim, toquei com a partitura – de cabeça para baixo – na estante, como se fosse um patuá para dar sorte, hahaha!
Toquei numa peça de teatro (no palco) em que não era permitido o uso de partituras, e foi a única vez na minha vida em que tive que tocar as mesmas músicas durante oito meses consecutivos, de quinta a domingo, e encarar o público sem o artifício da estante com ou sem partitura. Sobrevivi...

11) Como você vê o mercado para o baixista profissional? Que “preço” o “candidato” deve estar disposto a pagar?

O mercado está muito fechado nas grandes capitais (Rio, São Paulo, Belo Horizonte, Brasília, Curitiba, Porto Alegre, etc.). As orquestras profissionais, bandas militares e as universidades dessas capitais atualmente estão com seus quadros completos, e a quantidade de cachês diminuiu muito nos últimos anos em muitas cidades.

Há orquestras e bandas militares em outras capitais do Brasil, mas eu não sei como está a questão das vagas pra contrabaixistas. O importante é saber que há vida orquestral contrabaixística fora das grandes capitais. Em Aracaju (SE), por exemplo, tem até uma orquestra de contrabaixos, a Orquestra Sergipana de Contrabaixos, dirigida pelo contrabaixista fluminense Jair Maciel.

Há também muita vida contrabaixística nas universidades brasileiras. Muitas dessas universidades têm professores de contrabaixo capacitadíssimos, até com mestrado e doutorado.

O “candidato” a contrabaixista deve estar preparado para encarar de cinco a oito anos de estudo, no mínimo, até conseguir entrar para uma orquestra profissional.
Durante, esse “estágio”, ele pode trabalhar e ganhar uns trocados em casamentos, orquestras jovens, shows, aulas particulares, etc.
Nesse ínterim, pode até ser que algum contrabaixista de orquestra profissional se aposente, e surja um concurso, ou mesmo que ele tenha que partir para capitais menores ou para o interior, enquanto aguarda (ou não) por uma vaga nas grandes capitais ou em orquestras melhores.
Viver de aulas particulares só não é algo incerto para quem é famoso.
A quantidade de alunos que desistem de estudar de repente é muito grande. As escolas de música costumam pagar pouco, e viver de tocar em casamentos não deve ser o sonho de ninguém que achatou, de quatro a oito horas por dia, a sua dumbete no banco para estudar.
Casamento só não é bico para os noivos. Enquanto os noivos estão felizes e saltitantes, eu constantemente fico deprimida com a qualidade musical nos casamentos.

Os contrabaixistas eruditos profissionais, que fazem “freelancer” atualmente aqui no Rio, têm uma orquestra profissional ou uma banda militar profissional para garantir um salário fixo. Os que não tocam nelas têm alguém ou algo que os ajuda a segurar as contas (família, cônjuge, herança, etc.).

Esse panorama, talvez até bem desanimador, não é para as pessoas desistirem de tocar contrabaixo.
É só um toque de realidade, porque muita gente pensa que tocar contrabaixo acústico é sair do elétrico ontem e tocar numa orquestra ou banda militar na semana que vem.

Contrabaixo requer persistência e a confiança de que dias melhores virão. Infelizmente, até por eles têm-se que lutar, mas o tempo de ganhar emprego de mão beijada já passou há muitas e muitas décadas, não é mesmo?

O “candidato” a contrabaixista só precisa saber que o maior investimento no seu estudo não é com a compra do contrabaixo ou mesmo do arco, mas sim o investimento do tempo para estudar, e esse tempo não tem preço e nem cartão de crédito que pague.
E já que vai investir tanto tempo, vê se estuda direito, para o tempo andar mais rápido, e logo você conseguir fazer um concurso e passar.
Logicamente, seu tempo para estudar passará a ser menor, mas será remunerado.

12) Seu setup predileto e seu setup dos sonhos. Explique o porquê de suas escolhas (leve em consideração seus conhecimentos técnicos/práticos sobre o assunto).

Como os contrabaixos acústicos são muito diferentes entre si, ao comprar um instrumento, é importante é saber o que se quer e torcer para poder escolher o que se quer.
Às vezes, a grana é curta e as oportunidades ruins. Às vezes, a grana é curta, mas a sorte é grande. Outras vezes, a grana é boa, mas as oportunidades não.
Também pode acontecer da grana ser boa, e aparecer um contrabaixo ótimo.

Se você for tocar numa orquestra, é importante ter um contrabaixo com graves potentes.
Se fori tocar solo, um contrabaixo com agudos brilhantes e bem projetados é perfeito.
Se for tocar em shows, um contrabaixo com graves que não embolem e com bastante sustain é mais adequado, por exemplo.

Mas quando se é estudante, nem sempre a gente pode escolher o contrabaixo ideal.
Eu tive a sorte de ter um contrabaixo tcheco como meu primeiro instrumento e outro tcheco como segundo. E mais sorte ainda de ter o meu primeiro contrabaixo como quarto contrabaixo.

Ultimamente, grande parte dos alunos de contrabaixo têm tido os chinesinhos como primeiro instrumento.
Isso pode não ser tão ruim, pode ser temporário, enfim...
O importante é que tem. Se é um instrumento ou um “estrumento”, não importa. Dias melhores virão. Estude para isso.

Estou satisfeita com meus dois contrabaixos: a Margueritta é pequena, com agudos brilhantes e um som doce e bonito, e eu a uso em casa ou para solos; o Raphaello é grande, com graves redondos e cheios, e eu o uso em orquestra.
Meu sonho de consumo é ter um contrabaixo bem pequeno - um contrabassetto do Andrea Spada -, para poder levá-lo por aí, sem problemas com transporte, seja ele táxi, ônibus ou avião...
E, como já dizia o Hyldon, em “As dores do mundo”:
“E eu vou esquecer de tudo
Das dores do mundo
Não quero saber quem fui mas, sim, o que sou
E vou esquecer de tudo
Das dores do mundo
Só quero saber do seu, do nosso amor”

Gostaria também de ter um arco maravilhoso, para poder alternar com o meu atual.
Eu tinha um arco muito bom, mas ele quebrou durante uma encrinação, e foi constatado que ele veio com um micro remendo imperceptível do luthier que o fez.
Como ficou comigo por mais de década, e eu nunca vi isso, não dava nem para reclamar...

13) Considerações finais a seu critério – dicas, conselhos. Qualquer assunto/informação/detalhe adicional que queira compartilhar será muito bem vinda. As perguntas acima são somente um roteiro de assuntos a serem abordados, mas fique à vontade para acrescentar/suprimir o que julgar necessário. Se puder indicar, também, vídeos no YouTube para postarmos será ótimo. Acredito, que ganharemos muito em conhecimento com sua colaboração, Voila; mas agradeço desde já.
Abs.


Antes de terminar a entrevista, gostaria de agradecer o convite do Tarcisio Caetano e parabenizá-lo pela realização do seu projeto de entrevistas aqui no Fórum!

Tem um ditado popular que diz: “Não se desespere, porque até um chute na bunda te joga prá frente!”.
Portanto, não se desespere, contrabaixista, porque um bom objetivo te joga pro baixo!

Eu já fui jovem, e lutei por meus sonhos contrabaixísticos.
Muitos sonhos ficaram pelo caminho, outros continuam até hoje comigo.
Eu até poderia ter sido mais feliz, mas penso não dá para abraçar o mundo todo com as pernas, ainda mais com um contrabaixo acústico entre elas...
Mas eu já conheci muito do mundo assim, com ele bem junto de mim!...
Boa viagem para os que estão começando essa viagem contrabaixística!

E abraços e beijocas contrabaixísticas para todos!

Para ler mais sobre mim, acessem a minha autoentrevista “Eu sonhei que tu estavas tão...famosa!”:
http://www.voilamarques.com/2011/07/voila-marques-eu-sonhei-que-tu-estavas-tao-famosa/

Sobre dicas, acessem o “A-B-C-Dicas de Contrabaixo:
http://www.voilamarques.com/category/indice-a-b-c-dicas-de-contrabaixo/

Sobre bibliografia, repertório e assuntos contrabaixísticos, acessem a entrevista do contrabaixista Antonio Arzolla para o “Linhas de Baixo”:
http://www.voilamarques.com/2011/07/antonio-arzolla-bravissimo-arzolla/

Sobre métodos e assuntos contrabaixísticos, acessem a entrevista do contrabaixista Sandrino Santoro
para o “Linhas de Baixo”:
http://www.voilamarques.com/2011/07/sandrino-santoro-um-grande-vinho-contrabaixistico/

Sobre experiência profissional e assuntos contrabaixísticos, acessem a entrevista em vídeo do contrabaixista Ricardo Vasconcellos para o “Fala Baixo”:
http://www.voilamarques.com/2013/01/projeto-fala-baixo-entrevista-com-o-contrabaixista-ricardo-vasconcellos/

Sobre as “Orientações contrabaixísticas”, acessem:
http://www.voilamarques.com/category/indice-orientacoes-contrabaixisticas/
avatar
Tarcísio Caetano
Membro

Mensagens : 5693
Localização : Brasil

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Voila Marques - a "nossa primeira" contrabaixista

Mensagem por Cantão em Seg Mar 11, 2013 10:09 am

Excelente... claps
avatar
Cantão
Moderador

Mensagens : 18287
Localização : Bauru

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Voila Marques - a "nossa primeira" contrabaixista

Mensagem por allexcosta em Seg Mar 11, 2013 10:30 am

Sabe tudo e mais um pouco.

Quando a Voila toca, o gigante faz jus ao tamanho, pois pela técnica apurada o som parece que se amplifica inúmeras vezes.

Excelente comunicadora também e tem um prazer genuíno em passar conhecimento.


Última edição por allexcosta em Seg Mar 11, 2013 2:31 pm, editado 1 vez(es)
avatar
allexcosta
Administrador

Mensagens : 44240
Localização : Terra

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Voila Marques - a "nossa primeira" contrabaixista

Mensagem por Boss2K em Seg Mar 11, 2013 10:49 am

Voila, Voila ... Bem, sou bastante suspeito pra falar. Tem charme, tem carisma, tem encanto e tem magia. E conquista pela simpatia, inteligencia, dedicação e bom humor.

Parabéns pela entrevista e por todo o contínuo trabalho pela causa contrabaixística ... sua paixão incontestável.

E aqui, mais um pouquinho de Voila Marques por ... Voila Marques:

"Sou uma artista cheia de certezas e dúvidas, contrabaixista dos graves e cantora dos agudos, alegre e melancólica, bem-humorada e sujeita a chuvas, autoritária e passiva, inteligente com escolhas controversas, carinhosa e distante, sensível e racional, mãe e mulher, muito criativa e pouco funcional, metódica e mezzo-temperamental, com o Ying/Yang desequilibrado, ma non troppo: yingpaciente, yingtolerante, yingpertinente, yingpossível, etc. Tudo isso, mesclado com pouquíssima memória, nenhum senso de direção, vagas lembranças, muita energia... e nenhuma cólica"

Um beijo carinhoso de quem te admira a cada dia!

Boss2K
Membro

Mensagens : 7917
Localização : Brasília, DF

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Voila Marques - a "nossa primeira" contrabaixista

Mensagem por DUDUBASS em Seg Mar 11, 2013 11:03 am

Deu gosto de ler... excelente entrevista e grandiosas dicas.
avatar
DUDUBASS
Membro

Mensagens : 2471
Localização : FORTALEZA

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Voila Marques - a "nossa primeira" contrabaixista

Mensagem por NeyBass em Seg Mar 11, 2013 11:24 am

que belo curriculum, parabéns Voila.!!!
quanta sabedoria!!

vc toca baixo elétrico profissionalmente também? ensina?
avatar
NeyBass
Membro

Mensagens : 3486
Localização : MT

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Voila Marques - a "nossa primeira" contrabaixista

Mensagem por Voila Marques em Seg Mar 11, 2013 1:18 pm

Tarcísio Caetano escreveu:Mais uma da série "Contrabaixistas profissionais do Fórum Contrabaixo Br".
Para quem não sabe, Voila Marques, além de tudo o que ela dirá abaixo, sempre desenvolveu um trabalho espetacular junto ao acervo técnico deste Fórum. É com um grande prazer que repasso a vocês a 'entrevista' que fiz junto a ela up
Para aqueles que curtem ou amam o contrabaixo acústico, esta entrevista é um prato cheio e saboroso, por demais.
^ Obrigadíssima! Foi para mim uma honra muito grande participar da sua entrevista aqui no Fórum, Tarcísio! Amigos
avatar
Voila Marques
FCBR-CT
FCBR-CT

Mensagens : 3060
Localização : Rio de Janeiro

http://www.voilamarques.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Voila Marques - a "nossa primeira" contrabaixista

Mensagem por Voila Marques em Seg Mar 11, 2013 1:19 pm

Cantão escreveu:Excelente... claps
^Obrigada, Cantão! Very Happy
avatar
Voila Marques
FCBR-CT
FCBR-CT

Mensagens : 3060
Localização : Rio de Janeiro

http://www.voilamarques.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Voila Marques - a "nossa primeira" contrabaixista

Mensagem por Voila Marques em Seg Mar 11, 2013 1:25 pm

allexcosta escreveu:Sabe tudo e mais um pouco.
Quando a Voila toca, o gigante faz jus ao tamanho, pois pela técnica apurada o som parece que se amplifica inúmeras vezes.
Excelente comunicadora também e tem um prazer genuíno em passar conhecimento.
^"Vregonhei", Allex! Embarassed
Obrigadíssima pelas suas palavras! Amigos
avatar
Voila Marques
FCBR-CT
FCBR-CT

Mensagens : 3060
Localização : Rio de Janeiro

http://www.voilamarques.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Voila Marques - a "nossa primeira" contrabaixista

Mensagem por Voila Marques em Seg Mar 11, 2013 1:28 pm

Boss2K escreveu:Voila, Voila ... Bem, sou bastante suspeito pra falar. Tem charme, tem carisma, tem encanto e tem magia. E conquista pela simpatia, inteligencia, dedicação e bom humor.

Parabéns pela entrevista e por todo o contínuo trabalho pela causa contrabaixística ... sua paixão incontestável.

E aqui, mais um pouquinho de Voila Marques por ... Voila Marques:

"Sou uma artista cheia de certezas e dúvidas, contrabaixista dos graves e cantora dos agudos, alegre e melancólica, bem-humorada e sujeita a chuvas, autoritária e passiva, inteligente com escolhas controversas, carinhosa e distante, sensível e racional, mãe e mulher, muito criativa e pouco funcional, metódica e mezzo-temperamental, com o Ying/Yang desequilibrado, ma non troppo: yingpaciente, yingtolerante, yingpertinente, yingpossível, etc. Tudo isso, mesclado com pouquíssima memória, nenhum senso de direção, vagas lembranças, muita energia... e nenhuma cólica"

Um beijo carinhoso de quem te admira a cada dia!
^Que lindo!... Obrigada, querido! cherry
Depois que eu ficar convencida, aí você vai reclamar, hahaha!
Beijo carinhoso aqui da sua fã kiss
avatar
Voila Marques
FCBR-CT
FCBR-CT

Mensagens : 3060
Localização : Rio de Janeiro

http://www.voilamarques.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Voila Marques - a "nossa primeira" contrabaixista

Mensagem por Voila Marques em Seg Mar 11, 2013 1:30 pm

DUDUBASS escreveu:Deu gosto de ler... excelente entrevista e grandiosas dicas.
^Obrigada, DUDUBASS! Very Happy
avatar
Voila Marques
FCBR-CT
FCBR-CT

Mensagens : 3060
Localização : Rio de Janeiro

http://www.voilamarques.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Voila Marques - a "nossa primeira" contrabaixista

Mensagem por Voila Marques em Seg Mar 11, 2013 1:33 pm

NeyBass escreveu:que belo curriculum, parabéns Voila.!!!
quanta sabedoria!!

vc toca baixo elétrico profissionalmente também? ensina?
^Obrigadíssima, NeyBass! Very Happy
Não toco o elétrico, não... Sad
Há muitos anos, eu até juntei um dinheiro para comprar um elétrico.
Só que apareceu a Margueritta e eu nunca mais consegui juntar dinheiro para comprar contrabaixo, hahaha!
avatar
Voila Marques
FCBR-CT
FCBR-CT

Mensagens : 3060
Localização : Rio de Janeiro

http://www.voilamarques.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Voila Marques - a "nossa primeira" contrabaixista

Mensagem por Claudio em Seg Mar 11, 2013 2:25 pm

Parabéns, excelente tópico... referência completa de uma grande musicista, e uma grande pessoa!
avatar
Claudio
Membro

Mensagens : 15153
Localização : Rio de Janeiro - RJ

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Voila Marques - a "nossa primeira" contrabaixista

Mensagem por Leandro Jeronimo em Seg Mar 11, 2013 2:42 pm

gostei muito desta entrevista, ainda ñ sei tocar contrabaixo acústico, mas tenho esse sonho guardado aqui e no momentou oportuno colocarei em prática...

acompanho os vídeos da Voila no youtube e é perceptivel o talento e carisma que ela tem, pra mim foi de grande valia conhecer um pouco da sua história musical e ver o quanto vc dedicou p/ alcançar seus objetivos e sonhos...

parabéns a Voila e ao amigo que fez a entrevista, muito dez as perguntas também !!!

abraço a todos;
avatar
Leandro Jeronimo
Membro

Mensagens : 724
Localização : São Paulo

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Voila Marques - a "nossa primeira" contrabaixista

Mensagem por Voila Marques em Seg Mar 11, 2013 4:51 pm

ClaudioBass escreveu:Parabéns, excelente tópico... referência completa de uma grande musicista, e uma grande pessoa!
^Obrigadíssima, Claudio! Very Happy
Tô me sentindo um camarão hoje... Embarassed
avatar
Voila Marques
FCBR-CT
FCBR-CT

Mensagens : 3060
Localização : Rio de Janeiro

http://www.voilamarques.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Voila Marques - a "nossa primeira" contrabaixista

Mensagem por Voila Marques em Seg Mar 11, 2013 4:53 pm

Leandro Jeronimo escreveu:gostei muito desta entrevista, ainda ñ sei tocar contrabaixo acústico, mas tenho esse sonho guardado aqui e no momentou oportuno colocarei em prática...
acompanho os vídeos da Voila no youtube e é perceptivel o talento e carisma que ela tem, pra mim foi de grande valia conhecer um pouco da sua história musical e ver o quanto vc dedicou p/ alcançar seus objetivos e sonhos...
parabéns a Voila e ao amigo que fez a entrevista, muito dez as perguntas também !!!
abraço a todos;
^Obrigada, Leandro Jeronimo! Very Happy
Torço para que você tire logo o seu sonho da cartola e comece no acústico!
Abs cbxtkos
avatar
Voila Marques
FCBR-CT
FCBR-CT

Mensagens : 3060
Localização : Rio de Janeiro

http://www.voilamarques.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Voila Marques - a "nossa primeira" contrabaixista

Mensagem por joabi em Seg Mar 11, 2013 5:11 pm


Aee Voila! Detonou! cheers

avatar
joabi
FCBR-CT
FCBR-CT

Mensagens : 5931
Localização : Campinas - SP

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Voila Marques - a "nossa primeira" contrabaixista

Mensagem por Átila Moreira Cedro em Seg Mar 11, 2013 5:21 pm

Eu acompanhei alguns vídeos no canal do youtube. Realmente, tem uma didática, um bom humor, um conhecimento, uma simpatia, tudo no mesmo ser humano. Grande mestra. Sorte daqueles que puderam e que podem ter aulas com ela.
avatar
Átila Moreira Cedro
Membro

Mensagens : 1011

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Voila Marques - a "nossa primeira" contrabaixista

Mensagem por fheliojr em Seg Mar 11, 2013 5:42 pm

Lembrança muito bem merecida, Tarcisão!! Além de ser, verdadeiramente, uma musicista, a Voila tem a nobreza de compartilhar conhecimentos e de ser uma pessoa q trata tds com muita simpatia.
Parabens p/ vcs 2, meus queridos.
claps
avatar
fheliojr
Membro

Mensagens : 9131
Localização : Fortaleza-CE

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Voila Marques - a "nossa primeira" contrabaixista

Mensagem por Mauricio Luiz Bertola em Seg Mar 11, 2013 6:37 pm

claps
Excelente!
Uma verdadeira Dama da música e uma inspiração para todos aqui.
avatar
Mauricio Luiz Bertola
FCBR-CT
FCBR-CT

Mensagens : 12806
Localização : Niterói, RJ

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Voila Marques - a "nossa primeira" contrabaixista

Mensagem por enderbass em Seg Mar 11, 2013 7:32 pm

"Para ser respeitado, o músico precisa ter responsabilidade. É essa responsabilidade que o fará estudar, tocar, chegar na hora certa para ensaios e concertos, prestar concursos, cumprir seus compromissos profissionais, e ser chamado para cachês. É essa responsabilidade que dará a ele o direito de reclamar pelos seus direitos."
voilá vc disse tudo muito obrigado por suas palavras vc realmente deve ser uma pessoa impar nesse meio que bacana ler palavras tão sérias e profundas nessa entrevista, vc disse verdades duras mas, que é preciso ser ditas
avatar
enderbass
Membro

Mensagens : 246
Localização : Goiânia, Go

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Voila Marques - a "nossa primeira" contrabaixista

Mensagem por afonsodecampos em Seg Mar 11, 2013 7:59 pm

Essa entrevista é uma valiosa aula que também deve constar em seu livro Voila!
claps
avatar
afonsodecampos
Membro

Mensagens : 4759
Localização : Belém do Pará

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Voila Marques - a "nossa primeira" contrabaixista

Mensagem por webercar em Ter Mar 12, 2013 12:57 pm

Parabéns Voilla, esta entrevista é emocionante. É uma lição de vida para todos nós. hail
avatar
webercar
Membro

Mensagens : 3154
Localização : Rio de Janeiro

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Voila Marques - a "nossa primeira" contrabaixista

Mensagem por dibass em Ter Mar 12, 2013 1:01 pm

Tia Voila musicista,educadora e incentivadora do baixo acustico de altissimo nivel

exemplo claps
avatar
dibass
Membro

Mensagens : 1433
Localização : uberlandia- MG

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Voila Marques - a "nossa primeira" contrabaixista

Mensagem por Voila Marques em Qua Mar 13, 2013 11:37 am

joabi escreveu:
Aee Voila! Detonou! cheers
^Obrigada, Joabi! Very Happy
Fiquei foi com a mão detonada de tanto digitar, hahaha! Razz
avatar
Voila Marques
FCBR-CT
FCBR-CT

Mensagens : 3060
Localização : Rio de Janeiro

http://www.voilamarques.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Voila Marques - a "nossa primeira" contrabaixista

Mensagem por Voila Marques em Qua Mar 13, 2013 11:39 am

Átila Moreira Cedro escreveu:Eu acompanhei alguns vídeos no canal do youtube. Realmente, tem uma didática, um bom humor, um conhecimento, uma simpatia, tudo no mesmo ser humano. Grande mestra. Sorte daqueles que puderam e que podem ter aulas com ela.
^Obrigada pelas suas palavras sempre gentis, Átila! Amigos
E a sensação de camarão me ataca outra vez... Embarassed
avatar
Voila Marques
FCBR-CT
FCBR-CT

Mensagens : 3060
Localização : Rio de Janeiro

http://www.voilamarques.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Voila Marques - a "nossa primeira" contrabaixista

Mensagem por Voila Marques em Qua Mar 13, 2013 11:42 am

fheliojr escreveu:Lembrança muito bem merecida, Tarcisão!! Além de ser, verdadeiramente, uma musicista, a Voila tem a nobreza de compartilhar conhecimentos e de ser uma pessoa q trata tds com muita simpatia.
Parabens p/ vcs 2, meus queridos.
claps
^Obrigadíssima pelas suas palavras, Helinho! Very Happy
avatar
Voila Marques
FCBR-CT
FCBR-CT

Mensagens : 3060
Localização : Rio de Janeiro

http://www.voilamarques.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Voila Marques - a "nossa primeira" contrabaixista

Mensagem por Voila Marques em Qua Mar 13, 2013 11:45 am

Mauricio Luiz Bertola escreveu: claps
Excelente!
Uma verdadeira Dama da música e uma inspiração para todos aqui.
^Obrigadíssima, ao sempre Milorde Bertola! Amigos
avatar
Voila Marques
FCBR-CT
FCBR-CT

Mensagens : 3060
Localização : Rio de Janeiro

http://www.voilamarques.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Voila Marques - a "nossa primeira" contrabaixista

Mensagem por Átila Moreira Cedro em Qua Mar 13, 2013 11:48 am

Voila Marques escreveu:
Átila Moreira Cedro escreveu:Eu acompanhei alguns vídeos no canal do youtube. Realmente, tem uma didática, um bom humor, um conhecimento, uma simpatia, tudo no mesmo ser humano. Grande mestra. Sorte daqueles que puderam e que podem ter aulas com ela.
^Obrigada pelas suas palavras sempre gentis, Átila! Amigos
E a sensação de camarão me ataca outra vez... Embarassed

Você (não digo senhora porque mulheres não costumam gostar disto, mas vale para expressar meu respeito) é uma mestra Voila. Tem conhecimento demais, é super simpática e bem humorada em seus vídeos. Fala com uma propriedade absurda, sem aparentar nenhuma arrogância. Detecta os momentos de fazer uma graça ou uma piada para recuperar a atenção da audiência. Vai incluindo exemplos e prática durante a aula, além de citar os nomes de grandes mestres na medida em que precisa mostrar variações de um músico para o outro e como estas podem ser interessantes para cada um.. Em suma, como já disse, sorte dos que tiveram aulas com você, sorte dos que têm aulas com você, sorte de quem vai ter aulas com você.
claps para você Mestra...
avatar
Átila Moreira Cedro
Membro

Mensagens : 1011

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Voila Marques - a "nossa primeira" contrabaixista

Mensagem por Voila Marques em Qua Mar 13, 2013 12:17 pm

enderbass escreveu:"Para ser respeitado, o músico precisa ter responsabilidade. É essa responsabilidade que o fará estudar, tocar, chegar na hora certa para ensaios e concertos, prestar concursos, cumprir seus compromissos profissionais, e ser chamado para cachês. É essa responsabilidade que dará a ele o direito de reclamar pelos seus direitos."
voilá vc disse tudo muito obrigado por suas palavras vc realmente deve ser uma pessoa impar nesse meio que bacana ler palavras tão sérias e profundas nessa entrevista, vc disse verdades duras mas, que é preciso ser ditas
^Obrigadíssima pelas suas palavras, Enderbass! Very Happy
Sabe, eu não me sinto ímpar nem no nome, hahaha!
No meu primeiro dentista - quando eu tinha 6 anos -, já existia outra Voila... Sad
avatar
Voila Marques
FCBR-CT
FCBR-CT

Mensagens : 3060
Localização : Rio de Janeiro

http://www.voilamarques.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Voila Marques - a "nossa primeira" contrabaixista

Mensagem por Voila Marques em Qua Mar 13, 2013 12:20 pm

afonsodecampos escreveu:Essa entrevista é uma valiosa aula que também deve constar em seu livro Voila!
claps
^Obrigadíssima pela sugestão, Afonso! Very Happy
A minha autoentrevista (Eu sonhei que tu estavas tão...famosa!) já está lá.
Agora, como a sua sugestão, incluirei esta entrevista, se o colega Tarcísio e o Fórum permitirem, ok?
avatar
Voila Marques
FCBR-CT
FCBR-CT

Mensagens : 3060
Localização : Rio de Janeiro

http://www.voilamarques.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Voila Marques - a "nossa primeira" contrabaixista

Mensagem por Voila Marques em Qua Mar 13, 2013 12:23 pm

webercar escreveu:Parabéns Voilla, esta entrevista é emocionante. É uma lição de vida para todos nós. hail
^Obrigadíssima, Webercar! Amigos
Não é todo dia que a gente pode se dar ao luxo de dar asas às lembranças para uma entrevista...
O Tarcísio e vocês aqui do Fórum me permitiram isso! hyper
avatar
Voila Marques
FCBR-CT
FCBR-CT

Mensagens : 3060
Localização : Rio de Janeiro

http://www.voilamarques.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Voila Marques - a "nossa primeira" contrabaixista

Mensagem por Voila Marques em Qua Mar 13, 2013 12:41 pm

dibass escreveu:Tia Voila musicista,educadora e incentivadora do baixo acustico de altissimo nivel
exemplo claps
^Obrigadíssima, sobrinho Di! Very Happy
Te espero logo logo no baixo acústico também, hahaha! Banda
avatar
Voila Marques
FCBR-CT
FCBR-CT

Mensagens : 3060
Localização : Rio de Janeiro

http://www.voilamarques.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Voila Marques - a "nossa primeira" contrabaixista

Mensagem por Voila Marques em Qua Mar 13, 2013 1:07 pm

Átila Moreira Cedro escreveu:
Voila Marques escreveu:
Átila Moreira Cedro escreveu:Eu acompanhei alguns vídeos no canal do youtube. Realmente, tem uma didática, um bom humor, um conhecimento, uma simpatia, tudo no mesmo ser humano. Grande mestra. Sorte daqueles que puderam e que podem ter aulas com ela.
^Obrigada pelas suas palavras sempre gentis, Átila! Amigos
E a sensação de camarão me ataca outra vez... Embarassed

Você (não digo senhora porque mulheres não costumam gostar disto, mas vale para expressar meu respeito) é uma mestra Voila. Tem conhecimento demais, é super simpática e bem humorada em seus vídeos. Fala com uma propriedade absurda, sem aparentar nenhuma arrogância. Detecta os momentos de fazer uma graça ou uma piada para recuperar a atenção da audiência. Vai incluindo exemplos e prática durante a aula, além de citar os nomes de grandes mestres na medida em que precisa mostrar variações de um músico para o outro e como estas podem ser interessantes para cada um.. Em suma, como já disse, sorte dos que tiveram aulas com você, sorte dos que têm aulas com você, sorte de quem vai ter aulas com você.
claps para você Mestra...
^Ai, meu Deus...
Átila, agora é que eu morri de vez!... Chuta
Embarassed Embarassed Embarassed Embarassed
Sorte das pessoas que convivem com as suas palavras e com a sua delicadeza e sensibilidade, Átila! Amigos
Obrigadíssima e obrigadíssima!

avatar
Voila Marques
FCBR-CT
FCBR-CT

Mensagens : 3060
Localização : Rio de Janeiro

http://www.voilamarques.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Voila Marques - a "nossa primeira" contrabaixista

Mensagem por Tarcísio Caetano em Qua Mar 13, 2013 2:34 pm

Voila Marques escreveu:
afonsodecampos escreveu:Essa entrevista é uma valiosa aula que também deve constar em seu livro Voila!
claps
^Obrigadíssima pela sugestão, Afonso! Very Happy
A minha autoentrevista (Eu sonhei que tu estavas tão...famosa!) já está lá.
Agora, como a sua sugestão, incluirei esta entrevista, se o colega Tarcísio e o Fórum permitirem, ok?
No que me diz respeito, não só permito, como faço questão, Voila.
Sinta-se totalmente à vontade para tal Very Happy up
avatar
Tarcísio Caetano
Membro

Mensagens : 5693
Localização : Brasil

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Voila Marques - a "nossa primeira" contrabaixista

Mensagem por Voila Marques em Qua Mar 13, 2013 11:10 pm

Tarcísio Caetano escreveu:
Voila Marques escreveu:
afonsodecampos escreveu:Essa entrevista é uma valiosa aula que também deve constar em seu livro Voila!
claps
^Obrigadíssima pela sugestão, Afonso! Very Happy
A minha autoentrevista (Eu sonhei que tu estavas tão...famosa!) já está lá.
Agora, com a sua sugestão, incluirei esta entrevista, se o colega Tarcísio e o Fórum permitirem, ok?
No que me diz respeito, não só permito, como faço questão, Voila.
Sinta-se totalmente à vontade para tal Very Happy up
Obrigadíssima, Tarcísio! :viva:
avatar
Voila Marques
FCBR-CT
FCBR-CT

Mensagens : 3060
Localização : Rio de Janeiro

http://www.voilamarques.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Voila Marques - a "nossa primeira" contrabaixista

Mensagem por Maurício_Expressão em Qui Mar 14, 2013 8:36 pm

Adorei a entrevista. E como sabe e ama música essa mocinha!!!
Parabéns e que legal você, Voila, fazer parte deste fórum!!!!
avatar
Maurício_Expressão
Moderador

Mensagens : 6624
Localização : São José dos Campos - SP (Brazil)

http://tramavirtual.uol.com.br/artistas/expressao

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Voila Marques - a "nossa primeira" contrabaixista

Mensagem por Davi Motta em Sex Mar 15, 2013 8:36 am

Como sempre busco passar para os meus alunos, ser um bom músico e tocar bem não é apenas estudar técnicas, teorias e afins, conhecer a trajetória dos mais experientes é uma aula importantíssima na formação de um bom músico. Isso é algo que tomei para minha grade de estudos e só me fez melhorar, não só como músico, mas como pessoa também.

Parabéns Tarcísio por essa iniciativa!
Muito obrigado e parabéns Voila por essa super aula de vida!

hail
avatar
Davi Motta
Membro

Mensagens : 2150
Localização : Rio de Janeiro

https://www.youtube.com/davimotta

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Voila Marques - a "nossa primeira" contrabaixista

Mensagem por fheliojr em Sex Mar 15, 2013 3:11 pm

Davi Motta escreveu:...conhecer a trajetória dos mais experientes é uma aula importantíssima na formação de um bom músico. Isso é algo que tomei para minha grade de estudos e só me fez melhorar, não só como músico, mas como pessoa também...

concordo, TOTALMENTE, contigo.
avatar
fheliojr
Membro

Mensagens : 9131
Localização : Fortaleza-CE

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Voila Marques - a "nossa primeira" contrabaixista

Mensagem por Voila Marques em Sex Mar 15, 2013 11:57 pm

Maurício_Expressão escreveu:Adorei a entrevista. E como sabe e ama música essa mocinha!!!
Parabéns e que legal você, Voila, fazer parte deste fórum!!!!
^Obrigadíssima, Maurício! Very Happy
Fico muito feliz em participar aqui do nosso Fórum, que tem tanta gente bacana, como você!...
Olha, eu não acredito que você seja tão mais jurássico assim do que eu, mas ser chamada de "mocinha", foi muito divertido, quase hilariante, hahaha! Ideia
avatar
Voila Marques
FCBR-CT
FCBR-CT

Mensagens : 3060
Localização : Rio de Janeiro

http://www.voilamarques.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Voila Marques - a "nossa primeira" contrabaixista

Mensagem por Voila Marques em Sab Mar 16, 2013 12:32 am

Davi Motta escreveu:Como sempre busco passar para os meus alunos, ser um bom músico e tocar bem não é apenas estudar técnicas, teorias e afins, conhecer a trajetória dos mais experientes é uma aula importantíssima na formação de um bom músico. Isso é algo que tomei para minha grade de estudos e só me fez melhorar, não só como músico, mas como pessoa também.

Parabéns Tarcísio por essa iniciativa!
Muito obrigado e parabéns Voila por essa super aula de vida!

hail
^Obrigada, Davi! Very Happy
Eu também adoro conhecer a trajetória de outros músicos, especialmente dos contrabaixistas!...
Não sei nem o porquê, mas me lembrei de um grande contrabaixista, David Walter.
Quando o conheci - numa das convenções da ISB -, ele já era bem velhinho, e faleceu em 2003.
Se você soubesse a delícia que foi conversar com ele!...
Muito alegre e gentil, ele contou coisas da vida contrabaixística dele, e até que tinha tocado no Rio de Janeiro, algumas décadas atrás. E que memória: ainda falou algumas palavras em Português!
Ele foi o grande contrabaixista mais docinho de coco que já conheci!
Esse acontecimento foi tão especial, que a minha alma contrabaixística sorri até hoje com a lembrança...
avatar
Voila Marques
FCBR-CT
FCBR-CT

Mensagens : 3060
Localização : Rio de Janeiro

http://www.voilamarques.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Voila Marques - a "nossa primeira" contrabaixista

Mensagem por Sapão¹³ em Sab Mar 16, 2013 1:03 am

Parabéns Voila!!!

Mesmo com pouco tempo que tenho de fórum e pouco convívio com os membros, percebi que a experiencia agregada nesse fórum é rica em história e detalhes e a sua história encoraja a nós menos experientes a se aventurar mais com o nosso instrumento. Quiçá eu possa um dia ter uma história tão rica assim!!!
avatar
Sapão¹³
Membro

Mensagens : 347
Localização : Contagem, MG

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Voila Marques - a "nossa primeira" contrabaixista

Mensagem por Voila Marques em Sab Mar 16, 2013 2:10 pm

Sapão¹³ escreveu:Parabéns Voila!!!

Mesmo com pouco tempo que tenho de fórum e pouco convívio com os membros, percebi que a experiencia agregada nesse fórum é rica em história e detalhes e a sua história encoraja a nós menos experientes a se aventurar mais com o nosso instrumento. Quiçá eu possa um dia ter uma história tão rica assim!!!
^Obrigada, Sapão¹³! Very Happy
Sim, esse Fórum tem muitas histórias, hahaha!
Quando você menos esperar, estará cheio de histórias contrabaixísticas, e daquelas bem mineiras e saborosas prá contar! Book
avatar
Voila Marques
FCBR-CT
FCBR-CT

Mensagens : 3060
Localização : Rio de Janeiro

http://www.voilamarques.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Voila Marques - a "nossa primeira" contrabaixista

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum