Entrevista - André Midani (Folha de SP)

Ir em baixo

Entrevista - André Midani (Folha de SP) Empty Entrevista - André Midani (Folha de SP)

Mensagem por Claudio Rocha em Sab 28 Ago 2010, 11:40

Achei a entrevista com o André Midani, que tinha citado no tópico do Prêmio Multishow

Quem quiser ver no site da Folha: http://www1.folha.uol.com.br/folha/ilustrada/ult90u33266.shtml


Leia a íntegra da entrevista de André Midani à Folha
PEDRO ALEXANDRE SANCHES
LAURA MATTOS
da Folha de S.Paulo


André Midani, um dos nomes mais importantes da indústria fonográfica brasileira dos anos 60 aos 90, conta como é feita a cobrança para execução de música nas rádios e TVs, conhecida como jabá.

Leia a entrevista:

Folha - Na indústria fonográfica, é unânime a afirmação de que não existe jabá no Brasil. É verdade?

André Midani - Não, o jabá existe. Acho que o jabá sempre existiu. Não é uma coisa nova, nem particular da indústria fonográfica. É uma coisa universal, acho que desde que o homem começou a existir. Sempre se ouve falar "vamos acabar com a prostituição", "vamos acabar com as drogas", "vamos acabar com o jabá" _que é uma corrupção, não é? O mundo nasceu corrupto e acabará um belo dia na miséria da sua corrupção.

Tendo dito isso e indo ao mercado musical, o jabá, porquanto eu saiba, já existe desde o século 19, quando o grande astro da música era a ópera. Havia um grande terreno de ensaio dos novos tenores e sopranos que estavam para ser descobertos, em Marselha, na França. Lá, os empresários de novos talentos da época compravam 50, 80, cem lugares dos teatros e davam de graça para as pessoas aplaudirem muito. Era uma forma de jabá. Isso é inerente ao negócio, existe desde o início da música como setor lucrativo.

Quando cheguei no Brasil, em 55, o jabá não existia do jeito que possa ser pensado hoje. Mas havia meios de pressão, desde aquela época. Tal como ele é hoje, e em quantidades talvez menores do que agora, o jabá começou, creio, em 70, 71 ou 72.

Eu tinha uma parte grande dos artistas importantes daquela época, então não tinha tanta preocupação. Fazia sucesso no rádio porque os artistas genuinamente faziam sucesso.

Mas num belo dia um colaborador meu chegou dizendo que estava havendo um movimento segundo o qual o pessoal do rádio gostaria que se reconhecessem seus méritos. Ele foi conversar com eles e voltou me dizendo que tínhamos que tomar certo cuidado, porque se havia formado uma rede entre vários programadores importantes de Rio e São Paulo. Eu disse: "O que me importa?".

Tive a precaução de telefonar para alguns artistas e explicar o que estava acontecendo, que eu não estava a fim de entrar naquilo e que estava dando a instrução de não participarmos. Os artistas apoiaram, aplaudiram. Para minha surpresa, uns dias depois a gente saiu de programação.

Folha - Saiu literalmente, por completo?

Midani - Não me lembro direito mais, mas a imagem que tenho é de que os nossos discos de sucessos naquele momento _havia um de Chico Buarque, por exemplo_ saíram de programação. Aguentei uma semana, duas semanas. Na terceira não deu mais para aguentar, porque os próprios artistas chegaram dizendo: "Pelo amor de Deus, como vai ficar essa história?, a gente está fora do ar". Era uma preocupação legítima deles.

Então foi, creio, a primeira vez que isso aconteceu. Dali por diante houve altos e baixos, e o jabá estava instalado. Tomei uma atitude bastante pragmática, dizendo: se esta é a regra do jogo, lá vou eu com a regra do jogo.

Folha - Quais eram as regras do jogo?

Midani - As regras eram lamentáveis, porque, como em muitas coisas aqui no Brasil, não eram profissionais. Eu tinha vindo em 55 do México, onde o jabá rolava com grande despudor. Mas lá, um dia, estava eu na sala de um diretor de companhia, competidor meu, e tocou o telefone. Era um jabazeiro, e meu colega disse, com o palavreado mais vulgar: "Dei meu compromisso com você de tocar X vezes por dia e você não está tocando. Ou você toca ou você sai do rádio, porque eu vou lhe colocar para fora".

No México, pelo menos, havia uma regra (ri): toco cinco vezes por dia, lhe pago tanto e agora você tem que tocar. No Brasil se tentou várias vezes negociar isso, de as rádios tocarem o que as gravadoras queriam, o que seria justo dentro desse esquema injusto. Mas aí sempre se deu um jeitinho aqui, outro lá, e o fato é que a indústria perdeu muito rapidamente o controle sobre o que se tocava. Pagava e não sabia se ia tocar.

Folha - É o que acontece até hoje?

Midani - Não, piorou. Hoje não estou muito a par, mas piorou. Não me lembro direito, mas devo ter tido várias interferências dentro da indústria, no sentido de dizer "vamos parar com esse negócio".

Minha próxima interferência formal já foi mais tarde, acho que em 78 ou 79, já na Warner. Estava lançando Baby Consuelo e Pepeu Gomes, que como integrantes dos Novos Baianos haviam sido os protegidos e queridos do Chacrinha. De repente recebo a notícia de que o Chacrinha disse que, se não pagássemos, Baby e Pepeu não apareceriam em seu programa. A coisa mais inteligente que achei por bem fazer foi denunciar isso nos jornais. Em termos de companhia, isso me custou caro.

Fui aos jornais, dizendo factualmente que Chacrinha queria cobrar dinheiro para passar os artistas no programa _jabaculê. Isso me custou a adesão à causa do Chacrinha de outros meios de comunicação. Rádios e outros programas de TV passaram a cobrar também.

Agora, como é que a indústria se manifesta nessa história? Vamos dizer que existem cinco importantes companhias na indústria. Várias vezes os presidentes das companhias de discos foram se reunir para tentar chegar a um acordo. Essas coisas acontecem em momentos de crise do mercado ou de crise financeira, quando você vê que o orçamento para o jabá é tão grande que realmente desestabiliza um pouco sua economia interna.

Folha - Você pode quantificar o peso dos orçamentos das gravadoras destinados ao jabá?

Midani - Gostaria de dar uma porcentagem, mas o conceito de publicidade mudou muito no decorrer dos anos. Na época em que isso começou, a verba publicitária era 5% das vendas, em geral. Na época do Chacrinha, com certeza era alguma coisa como 10%. Até o momento em que eu estava militando, ou seja, até dois anos atrás, os orçamentos publicitários variavam entre 12% e 16%. E na última vez que vi ou ouvi falar de números, entre o jabá que você dava e alguma regalia, podia chegar a representar 70% das verbas de publicidade.

Folha - O jabá então é a principal fatia da publicidade?

Midani - É, e asfixia a indústria. Na minha época brasileira não chegava a asfixiar, era mais uma questão moral: o que é isso, o cara já ganha seu dinheiro e ainda quer ganhar para tocar disco meu? Se não houvesse meu disco ele não teria uma estação de rádio, o ponto de partida é esse, o absurdo.
Pensava que se as cinco companhias se levantassem juntas, em um ano, sem grandes prejuízos, botavam as rádios que praticavam jabá fora do mercado.

Folha - Isso não acontecia por falta de capacidade de articulação da indústria fonográfica?

Midani - Pode-se dizer exatamente isso. No sentido do jabá e das pressões, a indústria fonográfica, mais no Brasil que em outros lugares, é uma indústria muito frágil.

Folha - É refém das rádios?

Midani - É refém de muitas coisas, mas, nesse sentido, é refém do jabá.

Folha - O esquema montado pelos programadores no início não tinha a participação dos donos das emissoras?

Midani - Não. O que aconteceu é que os funcionários de rádio não ganhavam e não ganham muito dinheiro. São salários modestos. Então no início o disc-jóquei encontrou nessa manobra um meio de ganhar um pouco mais. Isso foi cegamente apadrinhado pelos donos das rádios. Eles ficavam contentes, pois não tinham que aumentar os salários. Começaram a fechar os olhos, porque era conveniente para eles. Mas, na medida em que a soma de dinheiro foi ficando maior, os donos começaram a pensar: "Mas e eu nessa história?".

Então houve decisões, por certos donos de rádio, de dizer: "Tudo bem, mas o dinheiro é meu". Entraram em contato com as companhias de disco e disseram: "A partir de agora quem manda na programação da rádio não é meu programador ou meu disc-jóquei. Sou eu". Passaram acordos que, no início pelo menos, foram acordos comerciais. Aí, sim, era uma relação profissional.

Tutinha, da Jovem Pan, por exemplo, gostava do disco ou não. Se ele não gostasse do disco não pegava acordo financeiro com a companhia, não havia jeito. Já não se pode chamar isso de jabá, é uma relação comercial como outra. Tutinha, pelo menos, era um grande profissional. Não sei como está hoje, mas era. Se não gostava do disco dizia: "Não toco". Se gostava, então se sentava lá para uma negociação. E ele fazia isso de uma forma profissional: "Vou tocar tantas vezes por dia, vou fazer um especial". Armava-se quase que uma operação de marketing genuína.

Folha - Então você tinha que agradar e também pagar?

Midani - Mas a regra desta vida tem sido essa. Evidentemente há um lado obscuro nessa história, do porquê da fragilidade das companhias de disco. O óbvio é o resultado comercial, o resultado promocional. Mas, se pelo lado dos presidentes e diretores havia grandes ressalvas sobre a prática, o jabá representava para muitas pessoas dos departamentos de promoção com rádio uma possibilidade de dizer: "Toma dez, mas eu fico com dez". Você se reencontra com um câncer estabelecido dentro da companhia. Isso lutava contra qualquer política encontrada por qualquer companhia para eliminar o jabá.

Folha - Então havia gente dentro das gravadoras fazendo acordos clandestinos com gente das rádios?

Midani - Até um momento houve o pagamento em espécie. Não havia recibo, nada. Então certos divulgadores na segunda-feira pegavam uma bolada de dinheiro lá e iam distribuir. E guardavam uma parte para eles. Se estabelecia uma cumplicidade entre representante da gravadora e representante da rádio.

Aí veio um outro elemento. Até os anos 80 _vamos colocar 85 como uma data hipotética_, a lucratividade de uma companhia de discos era uma coisa desejada, como em qualquer negócio. Mas me refiro agora às relações entre os presidentes das companhias e as matrizes das multinacionais. Nos anos em que trabalhei na Philips, uma vez por ano ia à Holanda e dizia: "O ano foi assim". Quando muito a cada três meses a gente mandava um relatório. As companhias naquela época eram uma brincadeira gostosa do dono de cada conglomerado.

Folha - Por que isso se modificou nos anos 80?

Midani - A coisa começou a degringolar quando as companhias de discos e seus conglomerados foram comprados por megainvestidores que tinham suas ações no mercado de Wall Street. Paulatinamente a indústria fonográfica, que era talvez uma indústria de relações públicas, de imagem, passou a ser um centro de lucro completo.

Na medida em que o mercado de Wall Street começou a encurtar os prazos, os investidores começaram a ficar mais sedentos. Isso impossibilitou aos presidentes dos conglomerados de terem políticas de compaixão com seus negócios. Cada vez Wall Street foi mais nervosa quanto aos resultados semestrais, depois trimestrais, depois mensais. Se deu uma variação, por pequena que fosse, as ações já ficavam nervosas. Dali então foi: "Dá lucro! E já!". Na medida que isso foi penetrando na indústria fonográfica se instalou uma pressão sobre os dirigentes locais, daqui e do resto do mundo, cada vez mais feroz.

O cara que está sentado aqui recebe telefonemas a cada três dias: "Como é que está esta semana?". Ele pira daqui. É "não quero saber, eu quero os números". Eu estive do outro lado, sei bem como é esse negócio (ri).

Folha - Ou seja, a indústria foi sendo cada vez mais pressionada, por um lado por Wall Street e por outro pelas rádios locais?

Midani - A situação é hoje tão incompreensível como era então. Como é possível que cinco companhias poderosas não possam se sentar e dizer: "Acabou", e acabou? Várias vezes tentei isso, e sempre me dei mal. Eu ia lá, propunha o acordo. Uma semana depois, tal pessoa furava o acordo. Aí outros todos furavam também, eu continuava e me dava mal a cada vez. Houve uma vez, por exemplo em que não fui eu que liderei o movimento. Quando a corda roeu, todo mundo disse: "Foi o Midani". Paguei pelo pecado que fiz e outras vezes paguei pelo pecado que não fiz. Um dia vi que não tinha nenhum talento para ser um crucificado, então fui tentar organizar isso dentro da companhia para que pelo menos fosse uma coisa mais objetiva e profissional.

Folha - Por que esses acordos nunca deram certo?

Midani - Só posso entender que em determinado momento uma determinada companhia está numa situação de fragilidade orçamentária, e então a tentação do diabo é muito grande. Sempre há um nessa situação. Há, por exemplo, o caso recente da Abril Music. Essa companhia entra no mercado, paga o que tiver que pagar para poder tocar e desestabiliza as outras companhias. O prejuízo da Abril foi de milhões e milhões de reais em cinco anos. Evidentemente, esse dinheiro foi para a contratação de artistas em demasia, para formar um catálogo, o que é compreensível. Mas a sede de ter sucesso imediatamente fez com que a companhia fosse uma grande catalisadora da tormenta jabazeira.

Mas uma vez é a Abril, outra vez é outra empresa que está em situação complicada, outra é uma mudança de gerência... Sempre há um acidente que impossibilita a tranquilidade do trabalho.

Folha - Também por pressão do esquema organizado, dos divulgadores?

Midani - Não, porque se as cinco companhias se entendessem e aguentassem um tempo eu suponho que a situação se tranquilizaria. Se não toda, porque toda corrupção é impossível, pelo menos parcialmente, que não seja um câncer como o de que todo mundo se queixa hoje.

Folha - Marcos Maynard sempre negou que fizesse jabá na Abril.

Midani - Essas pessoas sempre dizem que não é jabá, mas é simplesmente um jogo de palavras.

Folha - O sucesso ficou necessariamente condicionado a esse esquema?

Midani - Temo dizer que sim. A gente não sabe se é a galinha ou se são os ovos, mas isso veio a ser agravado pelo que poderia se dizer uma falta de novos talentos genuínos. Não sei se é verdade ou não, mas se poderia dizer que, na visão da indústria, isso foi agravado por uma certa falta de talentos novos, pouco preparados ainda. Então veio um novo tipo de executivo, o cara que faz o artista, escolhe as músicas, bota dentro do estúdio. É música pré-fabricada para o sucesso. Nos anos 80, os produtores passaram a dizer: "Nós fazemos o artista".

É uma coisa completamente antípoda da minha atitude quanto ao artista. Não vou dizer que tenho razão, mas são estilos absolutamente opostos. Telvez, dentro das minhas loucuras, eu tivesse gostado de dizer: "Vou fazer um artista". Mas eu não tinha capacidade nenhuma de fazer, então nunca me meti nisso. Se há uma pessoa que nem canta muito bem nem canta muito mal, nem tem muita personalidade nem tem pouca personalidade, o que eu vou fazer com ela? Não sei trabalhar assim, nunca foi meu estilo.

A partir do momento em que um artista é fabricado, necessariamente o investimento em publicidade e marketing começa a tomar uma importância desmedida.

Folha - Profissionais de rádio afirmam que não se toca uma música só por causa de jabá. Dizem que é preciso haver um respaldo de audiência. Com dinheiro, qualquer coisa toca no rádio?

Midani -Quando surgiu o rock dos anos 80, o rádio estava absolutamente fechado a esse tipo de música. O rádio é um sistema eminentemente conservador. Quando lançamos a bossa nova, o rádio achou que era um absurdo, o mesmo aconteceu com a tropicália. O homem do rádio não vê a música pelo que ela é, vê o anunciante, que vai tirar sua publicidade se a rádio baixar de audiência.

No rock dos 80, existiram algumas músicas de Paralamas do Sucesso, Kid Abelha, Titãs e Ultraje a Rigor que furaram o bloqueio natural. Foi uma surpresa. Ficamos com a música "Inútil", do Ultraje, quatro, cinco ou seis meses sem tocar. Um belo dia, começou a tocar. Acho que o rock não sofreu efeitos de jabá para impedi-lo de penetrar. Os programadores devem ter achado que era um sopro novo nas suas programações.

Folha - Aí o jabá entrou como elemento para fortalecê-lo?

Midani - Com certeza. Se me perguntar quais lembranças eu possa ter do meu jabá, posso dizer: paguei por toda aquela linha de frente que eu tinha.

Folha - A geração dos anos 80 contou muito com o programa do Chacrinha para fazer sucesso. Como terminou sua briga com ele?

Midani - A gente coloca o Chacrinha, mas ele também foi uma pessoa que fechou os olhos para seu filho, Leleco Barbosa. Leleco era quem fazia a programação do Chacrinha, e foi uma das pessoas mais militantes, se se pode dizer isso, desse caso.

Não me lembro direito de como acabou, levou um tempo. Certamente houve a turma do deixa-disso, amigos comuns, artistas dos quais Chacrinha gostava muito e estavam trabalhando na Warner. Um dia, recebi um recado de que ele gostaria de se reconciliar. Creio que a gente almoçou, ele fingiu que não houve nada, eu também fingi que não havia nada. Ficou aquela mútua hipocrisia. Chacrinha me convidou ao programa dele para receber um prêmio, as pazes foram feitas e não tinha mais problema, sempre nos amamos muito.

Folha - Os grandes nomes de sucesso pagam jabá?

Midani - Até hoje. Hoje estou realmente afastado, mas até um ano atrás era assim. Havia números, que eram estupendos. Nos anos do milagre brasileiro do início do governo FHC, se nos Estados Unidos o custo de lançar uma música no rádio com esse tipo de ajuda promocional era de US$ 300 mil por uma canção, no rádio brasileiro era de R$ 80 mil a R$ 100 mil, na época em que um dólar era um real. Ou recebi informações erradas, ou esses números são reais.

Folha - Para uma rádio não seria vantajoso tocar a nova música de artista de grande sucesso?

Midani - Não hesito em dizer que, a não ser honrosas e poucas exceções, como Roberto Carlos, não importa o tamanho dos artistas. Tem que pagar. A honra e o prazer são coisas que não existem mais.

Folha - Mesmo a rádio correndo o risco de prejudicar sua própria audiência?

Midani - É, mas a partir do momento em que o sistema funciona dessa maneira, não tem como. Uma toca porque alguém deu dinheiro, outra também toca o mesmo cara, então todo mundo vai. Hoje, a indústria fonográfica vive um momento de crise estrutural (por causa da mudança de tecnologia), criativa (porque raramente se pega um artista que já está pronto no primeiro disco) e econômica (por recessão).

Folha - O que você acha de uma lei de criminalização do jabá?

Midani - Acho que é indispensável, porque se você paga jabá e não tem recibo você não pode deduzir essa despesa do seu Imposto de Renda. Não pode entrar como despesa operacional. Hoje o meio radiofônico e o meio fonográfico estão cheios de subterfúgios para isso. Se você comprovar que esse dinheiro não foi usado para isso, mas para jabá, não acontece nada, porque não existe uma lei que diga que subornar é contra a lei e dá cana. Não se tem nem esse elemento.

Quando comecei a trabalhar nos Estados Unidos, a primeira coisa que recebi em minha mesa foi o chamado livro branco. Eram diretrizes de como se deve comportar com ética, e eu tinha que assinar que na minha gerência nenhum país que estava ligado a mim em nenhum momento ia fazer práticas de suborno. Lá é lei.

Folha - E lá jabá é considerado uma forma de suborno?

Midani - Então, o que é? Aqui não é considerado dessa maneira, mas é claro que é. É uma questão vernacular: eu lhe pago para você falar bem de mim no seu jornal ou na sua rádio, mesmo que você não goste da minha cara, eu aumento o preço e você acaba falando bem de mim. Isso é suborno. Se chama jabá, suborno ou campanha promocional (ri), moralmente é um suborno.

Folha - Quais outros prejuízos a prática de jabá pode trazer ao mercado musical?

Midani - Hoje em dia eu diria que não tenho nada contra o jabá. Tudo depende do que se faz com esse jabá. É um pouco como a Rifle Association nos Estados Unidos. Eles dizem que o fuzil não mata, que quem mata é quem puxa o gatilho. É um raciocínio incrível, né? Vamos supor que nos idos de 70 a situação fosse como é hoje. Eu teria botado jabá em cima de Caetano, Gil, Chico, desse pessoal todo. E todo mundo teria aplaudido, porque valia a pena. Começa a ficar pior quando você faz uma outra viagem: pega um artista que não tenha nenhuma qualidade que não seja a de ser bonitinho, empurra uma meia dúzia de canções feitas por quilo, e depois coloca dinheiro por cima.

Tudo depende do que você faz com o jabá. Se for colocar o famoso jabá em cima do que poderíamos chamar uma causa nobre, graças a Deus poder convencer essas pessoas de tocar uma coisa que é boa. Se era para botar jabá em cima de Raul Seixas, por exemplo, não me lembro, mas botei com muito prazer, porque estava convicto que esse menino era fantástico. Há cores nessa história, não no lado ético, mas do lado empresarial, objetivo.

Folha - Se emplacasse, a lei anti-jabá seria boa para quê?

Midani - É bom que exista a lei, não só do jabá do disco, mas no geral. Este país está permeado de jabá, não só do fonográfico. É uma sociedade cancerosa com o jabá. O país é jabazeiro.

Folha - Além de dinheiro vivo, o jabá também incluía "mercadorias"?

Midani - O que for. Dinheiro, drogas, prostitutas que eram levadas até o cara no fim-de-semana. Isso já não creio que exista hoje em dia na indústria.

Folha - Há quem defenda não a criminalização do jabá, mas sim sua legalização e regulamentação. O que você acha disso?

Midani - Mas aí se está violando o que se chama de as forças do mercado. Como se vai fazer isso? Determinar quanto se paga para um artista novo, quanto se paga para um veterano?

Folha - Seria mais difícil do que coibir?

Midani - É claro. Dali a pouco ia precisar de uma Ecad [órgão responsável pela cobrança de direitos autorais] para controlar isso, uma Ecad do jabá. São coisas ingênuas.

Folha - Também não seria ingênuo acreditar numa lei de criminalização?

Midani - Mas é assim que se faz. A lei sempre é um suporte, um sofá sobre o qual você pode se sentar quando necessário. Há 10 ou 15 anos, os políticos roubavam muito, mas nem se sabia disso. Aí veio um ciclo em que começou a se saber, estamos entrando num ciclo em que começa a custar caro. Acho que ainda vai ser um grande negócio ser um político honesto. O que a gente pode desejar é que se minimize essas coisas. Acabar com isso não dá.

Folha - Gravadoras e rádios em geral são vistas como as vilãs desse esquema todo, enquanto os artistas às vezes aparecem até como vítimas. Mas eles não são coniventes?

Midani - Posso dizer que, uma vez que se faça um acordo, muito artista deve saber. No passado, quem pagava o jabá era o empresário do artista. De onde ele recebia a grana? Da gravadora, obviamente. E o artista estava ciente. O artista sempre sabe. O que ele diz é que não quer se meter em briga de gente grande, "não estou aqui para pagar pelas brigas de vocês". É objetivo assim.
Claudio Rocha
Claudio Rocha
Membro

Mensagens : 625
Localização : Santo André, SP

http://www.captainbasement.blogspot.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Entrevista - André Midani (Folha de SP) Empty Re: Entrevista - André Midani (Folha de SP)

Mensagem por Cantão em Sab 28 Ago 2010, 23:31

Coisa de louco...já sabia disso , mais nunca tinha me aprofundado muito no assunto...realmente essa praga é antiga...facepalm
Cantão
Cantão
Moderador

Mensagens : 18603
Localização : Bauru

Voltar ao Topo Ir em baixo

Entrevista - André Midani (Folha de SP) Empty Re: Entrevista - André Midani (Folha de SP)

Mensagem por Mayo Pamplona em Dom 29 Ago 2010, 00:28

Excelente entrevista. Tubarão da pesada esse Milani.
Mayo Pamplona
Mayo Pamplona
Membro

Mensagens : 812
Localização : Rio de Janeiro

http://myspace.com/grupoaguaviva

Voltar ao Topo Ir em baixo

Entrevista - André Midani (Folha de SP) Empty Re: Entrevista - André Midani (Folha de SP)

Mensagem por Claudio em Dom 29 Ago 2010, 12:31

Com o advento da Internet a prática do jabá tem perdido força, e por conta disso alguns "artistas" têm surgido no cenário justamente na contramão do Jabá.

Um bom exemplo que posso citar é de um grande amigo de infância que é conhecido na mídia como Viny. O cara é um músico de mão cheia, com vasto conhecimento de técnica e teoria, ouvido absoluto, tinha uma banda de Jazz chamada Haikay com um nível primoroso... a única coisa que ele não tinha era dinheiro pra bancar o Jabá.

Até o dia em que numa brincadeira na casa do sôgro dele, surgiu uma música de infência chamada "Heloísa Mexe da Cadeira". Viny e o amigo e produtor Roberto Ly entraram num estúdio e gravaram essa música. O Roberto Ly distribuiu um centena de cópias dessa música em várias boates e casas noturnas do Rio, pedindo aos DJs pra colocar a música pra tocar. Em pouco tempo a música se tornou uma febre nas boates, todos pediam pra tocar aquela tal de "Mexe a Cadeira", e ninguém sabia sequer o nome do cantor.

Quando essa música chegou aos ouvidos da mídia, foram correr atrás do proprietário, e chegaram ao Viny, que passou a cobrar para que sua música fosse executada nas rádios... até que num acordo com um pool de rádios, ele conseguiu verba suficiente pra gravar e lançar seu primeiro CD.

Já vi vários outros casos de artistas que utilizaram (utilizam) a internet a sua favor para se lançar sem a necessidade de recorrer ao decadente Jabá. A minha opinião, se a pessoa cair no gosto popular através da internet, vai conseguir chegar à mídia sem gastar um tostão de Jabá, basta fazer uma rápida análise nas carreiras de Malu Magalhães, Thathi e outros.
Claudio
Claudio
Membro

Mensagens : 15182
Localização : Rio de Janeiro - RJ

Voltar ao Topo Ir em baixo

Entrevista - André Midani (Folha de SP) Empty Re: Entrevista - André Midani (Folha de SP)

Mensagem por Nekron# em Dom 29 Ago 2010, 13:05

Infelizmente, por causa dessa prática hoje temos Cine, Restart, e outras coisas que só servem pra ser "Bonitinhas"

porém, creio que a partir do fim desse ano as coisas comecem a mudar pra melhor, até o Nx0 ta lançando musica boa, e alem disso chegamos num ponto, que pra pior não dá!

Nekron#
Nekron#
Membro

Mensagens : 49
Localização : Curitiba

Voltar ao Topo Ir em baixo

Entrevista - André Midani (Folha de SP) Empty Re: Entrevista - André Midani (Folha de SP)

Mensagem por Mayo Pamplona em Dom 29 Ago 2010, 19:06

hehehe, eu sou bem pessimista em relação a esse assunto. Acho que só tende a piorar mesmo.

Acho que é mais fácil a internet ser assimilada do que mudar o esquemão. No caso da Mallu pode crer que ela passou a entrar no esquema pra ter continuidade na mídia.

Claudio, o Viny sumiu da mídia depois disso... ele não deve ter entrado no jogo, né? O que aconteceu?
Mayo Pamplona
Mayo Pamplona
Membro

Mensagens : 812
Localização : Rio de Janeiro

http://myspace.com/grupoaguaviva

Voltar ao Topo Ir em baixo

Entrevista - André Midani (Folha de SP) Empty Re: Entrevista - André Midani (Folha de SP)

Mensagem por Claudio em Dom 29 Ago 2010, 20:00

Mayo Pamplona escreveu:
Claudio, o Viny sumiu da mídia depois disso... ele não deve ter entrado no jogo, né? O que aconteceu?

O que aconteceu é que depois que o filho dele nasceu, ele reduziu bastante a quantidade de shows e compromissos.... mas o fator principal foi que o Viny tentou trazer para os outros trabalhos o nível musical que ele curte, a coisa bem elaborada, menos comercial... só que a essa altura, ele já estava esteriotipado como o cantor do "Mexe a cadeira"... e aí já era... se você for ver a banda do Viny hoje, tem até Baixo Acústico... e esse tipo de coisa não vende na mídia. Mas ele continua na ativa, fazendo poucos shows, mas são apresentações bem interessantes, num outro nível completamente diferente do começo.
Claudio
Claudio
Membro

Mensagens : 15182
Localização : Rio de Janeiro - RJ

Voltar ao Topo Ir em baixo

Entrevista - André Midani (Folha de SP) Empty Re: Entrevista - André Midani (Folha de SP)

Mensagem por Mayo Pamplona em Dom 29 Ago 2010, 20:03

Foi por um caminho legal! up E o sucesso dele deve ter ajudado bastante nos novos trabalhos.

Mas se o cara quer fazer sucesso mesmo, se manter lá nas paradas... aí não acredito que internet tenha esse poder todo.
Mayo Pamplona
Mayo Pamplona
Membro

Mensagens : 812
Localização : Rio de Janeiro

http://myspace.com/grupoaguaviva

Voltar ao Topo Ir em baixo

Entrevista - André Midani (Folha de SP) Empty Re: Entrevista - André Midani (Folha de SP)

Mensagem por Claudio em Dom 29 Ago 2010, 21:55

Mayo Pamplona escreveu:
Mas se o cara quer fazer sucesso mesmo, se manter lá nas paradas... aí não acredito que internet tenha esse poder todo.

Sei não Mayo... depois que aquele Felipe Neto teve mais de 3 milhões de acessos em menos de 12 horas, e que rendeu a ele uma indicação ao VMB, eu passei a acreditar em qualquer coisa do gênero... inclusive na força da divulgação através da rede... já tem emissoras de TV correndo atrás desse Felipe Neto. Procure por material dele no Youtube que você vai entender!
Claudio
Claudio
Membro

Mensagens : 15182
Localização : Rio de Janeiro - RJ

Voltar ao Topo Ir em baixo

Entrevista - André Midani (Folha de SP) Empty Re: Entrevista - André Midani (Folha de SP)

Mensagem por Cantão em Dom 29 Ago 2010, 22:36

^Realmente esse Felipe Neto é uma autêntica cria da internet...como os Justin Biebers que saem da net para o estrelato da noite para o dia... Smile
Cantão
Cantão
Moderador

Mensagens : 18603
Localização : Bauru

Voltar ao Topo Ir em baixo

Entrevista - André Midani (Folha de SP) Empty Re: Entrevista - André Midani (Folha de SP)

Mensagem por Nekron# em Dom 29 Ago 2010, 23:18

Felipe Neto foi uma excelente contramão a tudo o que está aparecendo na midia hoje, provou o poder da internet, axo que cada vez mais as midias tradicionais e controladas por chefões irá perder a força, pois, hoje, 70% das noticias que fico sabendo vem da internet, mas isso pq eu sou um muleque de 16 anos, que se faz informatica...

a revolução da informação só irá realmente começar (e creio que esteja muito proximo isso) quando, todos começarem a acreditar na força da internet, pois hoje, um computador usado custa, 300 reais, e uma assinatura de internet, pode custar 30 conto por mes, entao, é de fácil acesso as camadas mais baixas da sociedade, economicamente falando...

mas, muitos hoje, usam a internet apenas para se comunicar, nao para se informar e criar/expor uma opinião, oportunidades nao faltam, o que falta é a vontade do caboclo...

e vamos combinar, esse papo de que a internet te deixa mais burro, é tão ridiculo quanto dizer que nao deve-se ir para um shopping, pois há pessoas burras lá, e te deixarão burra.

desculpem erros de portugues, ou se meu texto ficou dificil de entender, to quase capotando pra cama!
Nekron#
Nekron#
Membro

Mensagens : 49
Localização : Curitiba

Voltar ao Topo Ir em baixo

Entrevista - André Midani (Folha de SP) Empty Re: Entrevista - André Midani (Folha de SP)

Mensagem por Ivanov_br em Dom 29 Ago 2010, 23:30

COncordo com o Claudiobass que a internet deu uma enfraquecida no Jabá. Mas os "jabazeiros" tão usando PESADAMENTE a internet tb, e com tanta força de mídia que acaba ofuscando os independentes...

Serão eles os superpoderosos imabtíveis?!
Ivanov_br
Ivanov_br
Moderador

Mensagens : 5880
Localização : Rio Grande do Sul

http://www.myspace.com/bustamanteivan

Voltar ao Topo Ir em baixo

Entrevista - André Midani (Folha de SP) Empty Re: Entrevista - André Midani (Folha de SP)

Mensagem por Claudio em Seg 30 Ago 2010, 07:53

Não os vejo como imbativeis não...

Considere que CD e DVD, é algo que você produz hoje com extrema facilidade e com um custo muito reduzido... e você mesmo pode disponibilizar seu material pra download em vários meios. Considere também que CD e DVD sempre rendeu muito para gravadores, e pouco (quase nada) para os artistas.

O que sustenta os artistas são os cachês de shows, e se os caras forem bem articulados, conseguem sobreviver e fazer dinheiro no cenário underground sem necessidade de se submeter à mídia. Um exemplo clássico disso que falei, é a banda Valhas Virgens, que tem 10 CDs independentes gravados, e arrastam uma legião de fãns por onde passam. *Todos* dos shows do Velhas Virgens são sempre lotados... e se você for ler as entrevistas do Magrão, verá que ele sempre deixou bem claro que não vai submeter o Velhas Virgens aos capríchos dos produtores. Alex Cohen aqui do Rio é outro grande exemplo de artista pop independente que consegue viver bem sem a mídia e ainda poderia citar muitos outros.

O problema é que as pessoas acham que o caminho mais fácil e rápido pro sucesso, é colocar a carreira nas mãos de um produtor, que vai colocar pelo menos 90% de tudo o que você ganha no bolso, e te dar a ilusão de aparecer por 10 minutos no programa do Faustão. Pra reverter isso, basta apenas uma mudança de postura, requer atitude!
Claudio
Claudio
Membro

Mensagens : 15182
Localização : Rio de Janeiro - RJ

Voltar ao Topo Ir em baixo

Entrevista - André Midani (Folha de SP) Empty Re: Entrevista - André Midani (Folha de SP)

Mensagem por pc em Seg 30 Ago 2010, 08:47

Concordo plenamente, Cláudio.

Eu fiquei um ano e pouco tocando no underground com o Manguaça e vi que hoje dá pra fazer muita coisa com pouca grana e um pouco de força de vontade. Gravamos um EP com menos de mil reais e começamos a divulgar. Saí da banda há uns 3 meses pois estavamos arrumando shows fora do RJ e pra mim ficava complicado. Conseguimos até arrumar uma tour pelo leste europeu pra 2011. Só que eu não tenho mais idade pra dormir em papelão dentro de squats punk sem aquecimento no inverno europeu Wink

E não é só rock que tem mercado. A galera do blues tá nesse esquema também. Eu toquei com um pessoal da galera da Banca do Blues na Rio Branco. É a mesma cosia... Show direto, casa cheia, tudo só no boca a boca (Orkut, facebook, lista).

MPB também bomba. Choro, Samba... Esse pessoal não faz divulgação na grande mídia. às vezes até rola uma ocisa ou outra na MPB FM, mas é anúncio normal, e geralmente o anúncio é da casa que o caboclo vai tocar...

E o pior... Isso tudo é aqui no Rio de Janeiro! Um lugar mundialmente conhecido pela dificuldade de se arrumar onde tocar...
pc
pc
Membro

Mensagens : 401
Localização : Rio de Janeiro

Voltar ao Topo Ir em baixo

Entrevista - André Midani (Folha de SP) Empty Re: Entrevista - André Midani (Folha de SP)

Mensagem por Andrezinho em Seg 30 Ago 2010, 13:50

O Leoni, um dos artistas mais antenados nessa coisa de Internet e etc., escreveu o Manual de Sobrevivência no Mundo Digital.
É uma leitura atual e bastante interessante que fala sobre como se divulgar nos vários nichos da Internet, como achar seu "público-alvo", etc.
Não vejo a hora de fazer a entrevista com ele pra colocar no Blog...

Nós, como músicos, sabemos que a qualidade é muito importante...
Sem fazer nenhuma sacanagem, tenho um amigo lá de Sampa que é cantor, compositor e se divulga direitinho pela Internet, faz uns twitcams de vez em quando e tal...
Ele CONHECE os muleques do RESTART e me garantiu que são bons músicos! Que nenhum deles é bobinho no instrumento, mas que realmente a música deles é uma "questão de gosto", porque eles optaram em se deixar "fabricar" por um produtor que criou essa imagem pra eles!
Não vou a fundo no dito pra achar a realidade escondida sob os fatos, mas acho que pode ser verdade sim...
Existem inúmeros bons artistas que se deixam levar pelo estereótipo da mídia e acabam se perdendo da sua "fonte". Existem alguns que vão passar a vida com um público cativo, lotando casas e sem sequer serem vistos pela grande mídia.
Questão de opção e princípios...
Prefiro continuar fazendo showzinhos aqui e ali e tocando com outros artistas quando for necessário...
Tipo assim: Christiano Galvão e Alexandre Cavallo tocam com a Thathi. São ótimos! Já conheço o Cavallo desde os tempos do Jorge Vercilo (Leve - 1999). NO show no NorteShopping tinha mais gente no palco que na platéia... hehehe
Recomendo, a quem gosta de bom instrumental, procurar o CD deles (1 + 1). É excelente!

Vou falar com ele ra ver se libera colocar pelo menos uma música aqui no fórum pra galera ouvir!

Abração!
Andrezinho
Andrezinho
Membro

Mensagens : 3329
Localização : Rio de Janeiro

Voltar ao Topo Ir em baixo

Entrevista - André Midani (Folha de SP) Empty Re: Entrevista - André Midani (Folha de SP)

Mensagem por Claudio em Seg 30 Ago 2010, 14:13

Andrezinho escreveu:
Ele CONHECE os muleques do RESTART e me garantiu que são bons músicos! Que nenhum deles é bobinho no instrumento,

affraid Maluco
Claudio
Claudio
Membro

Mensagens : 15182
Localização : Rio de Janeiro - RJ

Voltar ao Topo Ir em baixo

Entrevista - André Midani (Folha de SP) Empty Re: Entrevista - André Midani (Folha de SP)

Mensagem por Andrezinho em Seg 30 Ago 2010, 17:05

^ Essa foi EXATAMENTE a minha reação...
Mas como nunca vi eles tocando ao vivo,nem posso ainda meter o malho...
Mas os caras do CINE são muito ruins... Esses eu já vi!
Andrezinho
Andrezinho
Membro

Mensagens : 3329
Localização : Rio de Janeiro

Voltar ao Topo Ir em baixo

Entrevista - André Midani (Folha de SP) Empty Re: Entrevista - André Midani (Folha de SP)

Mensagem por Nekron# em Seg 30 Ago 2010, 19:35

não duvido que os caras do restart sejam bons musicos, pelo que eu sei, desde os 15 anos mais ou menos os muleques fazem showzinhos por ai, tocam a um tempinho já, porém, se deixaram levar pelo "Enlatado", encurtaram, o que poderia ser uma carreira promissora, para 1 ano, no máximo.
Nekron#
Nekron#
Membro

Mensagens : 49
Localização : Curitiba

Voltar ao Topo Ir em baixo

Entrevista - André Midani (Folha de SP) Empty Re: Entrevista - André Midani (Folha de SP)

Mensagem por Mayo Pamplona em Seg 30 Ago 2010, 20:01

Porcarias podem ser feitas com esmero, hehe...


Mayo Pamplona
Mayo Pamplona
Membro

Mensagens : 812
Localização : Rio de Janeiro

http://myspace.com/grupoaguaviva

Voltar ao Topo Ir em baixo

Entrevista - André Midani (Folha de SP) Empty Re: Entrevista - André Midani (Folha de SP)

Mensagem por Claudio em Ter 31 Ago 2010, 07:42

Andrezinho escreveu:^ Essa foi EXATAMENTE a minha reação...
Mas como nunca vi eles tocando ao vivo,nem posso ainda meter o malho...

Sei como é isso... pra quem não conhece o cara, também fica difícil acreditar quando digo que o Viny é um músico completo, multi-instrumentista e ouvido absoluto... por sinal, um excelente baixista!
Claudio
Claudio
Membro

Mensagens : 15182
Localização : Rio de Janeiro - RJ

Voltar ao Topo Ir em baixo

Entrevista - André Midani (Folha de SP) Empty Re: Entrevista - André Midani (Folha de SP)

Mensagem por bruno the manager em Ter 31 Ago 2010, 09:19

Entrevista - André Midani (Folha de SP) 943615 tópico excelente! aprendi muito com a entrevista do Midani e com as historias dos colegas foristas.
bruno the manager
bruno the manager
Membro

Mensagens : 617
Localização : Russas - CE

Voltar ao Topo Ir em baixo

Entrevista - André Midani (Folha de SP) Empty Re: Entrevista - André Midani (Folha de SP)

Mensagem por Mayo Pamplona em Ter 31 Ago 2010, 15:54

Pois é.. sobre a internet, eu penso que ela pode surpreender no lançamento de um artista sem que isso seja previsto.

Mas a continuidade dele no mercado como artista de grande porte, isso independe da internet. A internet sozinha, pelo menos ainda, não tem poder pra manter um artista na midia.
Mayo Pamplona
Mayo Pamplona
Membro

Mensagens : 812
Localização : Rio de Janeiro

http://myspace.com/grupoaguaviva

Voltar ao Topo Ir em baixo

Entrevista - André Midani (Folha de SP) Empty Re: Entrevista - André Midani (Folha de SP)

Mensagem por Claudio Rocha em Ter 31 Ago 2010, 15:58

bruno the manager escreveu:Entrevista - André Midani (Folha de SP) 943615 tópico excelente! aprendi muito com a entrevista do Midani e com as historias dos colegas foristas.
Tem um livro com a biografia dele chamado: "André Midani: Música, Ídolos e Poder". História pura, vale a pena a leitura.
Abs!
Claudio Rocha
Claudio Rocha
Membro

Mensagens : 625
Localização : Santo André, SP

http://www.captainbasement.blogspot.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Entrevista - André Midani (Folha de SP) Empty Re: Entrevista - André Midani (Folha de SP)

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum