Gostaria de reagir a esta mensagem? Crie uma conta em poucos cliques ou inicie sessão para continuar.

Leishmaniose visceral

Ir em baixo

Leishmaniose visceral Empty Leishmaniose visceral

Mensagem por Andrezinho em Sex Ago 10, 2012 12:22 pm

Já que puxaram o assunto em outro tópico, vamos esticar um pouco o papo aqui!

A Leishmaniose visceral ou Calazar é uma parasitose endêmica em algumas regiões do Brasil, porém afeta muitos outros países subdesenvolvidos e em desenvolvimento no mundo. Só perde em letalidade para a Malária.

Nas regiões urbanas, cães, gatos e ratos são os principais reservatórios. Nas zonas rurais, é mais comum o reservatório ser em equinos e bovinos.
Neles, o protozoário da familia Leishmania (chagasi no Brasil, donovani e infantum em outros países) se reproduzem e são então carregados por mosquitos (principalmente o Lutzomyia longipalpis, conhecido como birigui ou mosquito-palha), que os transmitem aos humanos durante o repasto.

Leishmaniose visceral 1008

Leishmaniose visceral Leishmania

Esse parasita é capturado pelas células de defesa do organismo, que não são capazes de destruí-lo. Em vez disso, eles mudam de forma perdendo sua cauda (ou flagelo), se reproduzem, destroem a célula e retornam à corrente sangüínea, sendo estão recapturados por mosquitos, onde voltam a se transformar na forma flagelada e são então transmitidos a novos hospedeiros intermediários.

Leishmaniose visceral Leismaniose-8 Leishmaniose visceral Imagem2

O período de incubação é de 2 semanas a 2 anos, porém a média é de 3 meses. Após isso, podem ocorrer pequenas áreas de descamação no rosto e couro cabeludo, que podem ser confundidas com caspa. Podem ocorrer pequenos "calombos" sob a pele, que desaparecem, podendo ou não estar associados aos períodos de febre. Começam a ocorrer febre intermitente com semanas de duração, emagrecimento, palidez, fraqueza, perda de apetite, anemia, aumento do baço e do fígado e dos gânglios linfáticos, comprometimento da medula óssea, problemas respiratórios, diarréia, sangramentos na boca e nos intestinos.

Quanto mais rápido o diagnóstico, maior a chance de cura completa. É fundamental que, à partir da descoberta dos sintomas, se façam os exames específicos (sorologias ELISA e imunofluorescência), além da pesquisa de parasitas e anticorpos na medula óssea.
Até porque os sintomas podem ser confundidos com outras doenças semelhantes, como Doença de Chagas, Doença do Sono, febre tifóide, esquistossomose e malária. Sem tratamento, a taxa de letalidade é próxima de 100%.

Os tratamentos disponíveis são eficazes, porém há um indice de recidivas. O ideal é o tratamento com drogas endovenosas, mas o serviço de infectologia é que determinará o mais indicado.
Andrezinho
Andrezinho
Membro

Mensagens : 3329
Localização : Rio de Janeiro

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum