Gostaria de reagir a esta mensagem? Crie uma conta em poucos cliques ou inicie sessão para continuar.

Genesis - Nursery Crime (Informações gerais)

Ir em baixo

Genesis - Nursery Crime (Informações gerais) Empty Genesis - Nursery Crime (Informações gerais)

Mensagem por Tarcísio Caetano em Qua Maio 01, 2013 12:35 pm

Genesis - Nursery Crime (Informações gerais) 130276-b

Genesis - Nursery Crime (Informações gerais) GenesisNurseryCrymeRear

Genesis - Nursery Crime (Informações gerais) Genesis1970


Genesis - Nursery Crime (Informações gerais) Twr30genpromo



Nursery Cryme is the third studio album by Genesis and was recorded and released in 1971. It is the band's first album with drummer Phil Collins and guitarist Steve Hackett, who replaced John Mayhew and Anthony Phillips, respectively, in 1970 and 1971. The five-member line-up of Peter Gabriel, Tony Banks, Mike Rutherford, Collins and Hackett would remain consistent until the band's 1976 album A Trick of the Tail, when Phil Collins replaced Peter Gabriel as lead vocalist following Gabriel's departure from the band.

Album history

Although not a success upon release in their homeland, Nursery Cryme became an unexpected hit in Italy, reaching number 4 in the LP charts – spurring on Genesis' European success—with the album eventually reaching No.39 in the UK charts for one week in May 1974, and the re-issue reaching No.68 for one week in March 1984.
The album also marked the beginning of a steady, cohesive line-up for Genesis.

Sound

Like Trespass, the preceding Genesis album, Nursery Cryme was recorded at London's famous Trident Studios. Trident was one of only a handful of British studios to have 16-track equipment, which was state of the art for the time.
For some time before Hackett's recruitment, Genesis had performed live as a four-piece, with Banks substituting for guitar by playing lead solos on his Hohner "Pianet" electric piano, played through a fuzz box. This technique can be heard on "The Musical Box" and the intro to "The Return of the Giant Hogweed". In addition, the band purchased their own Mellotron Mark II (from King Crimson). Banks employed the Mk II "three violins" sound in "The Fountain Of Salmacis" and "Seven Stones", while the climax of "The Return of the Giant Hogweed" uses fuzzed Mk. II "combined brass". Rutherford also began using the standalone electronic bass pedal unit Dewtron "Mister Bassman".

Songs

Though credited solely to Banks/Collins/Gabriel/Hackett/Rutherford, "The Musical Box" began as an instrumental piece written by Anthony Phillips called "F#" (later released as "Manipulation" on the Box Set remaster). The lyrics are based on a Victorian fairy story written by Gabriel, about two children in a country house. The girl, Cynthia, kills the boy, Henry, by removing his head with a croquet mallet. She later discovers Henry's musical box. When she opens it, Henry returns as a spirit, and starts aging very quickly. This causes him to experience a lifetime's sexual desires in a few moments, and he tries to persuade Cynthia to have sexual intercourse with him. However, his nurse arrives and throws the musical box at him, destroying them both. The album cover shows Cynthia holding a croquet mallet, with a few heads lying on the ground.
In live performances, Peter Gabriel would wear an "old man" mask for the final verse and unzip the chest part of his black jumpsuit. Dramatic lighting would be used each time he shouted "NOW!" "The Musical Box" was featured in their live repertoire right up to Phil Collins' departure after the We Can't Dance tour in 1992, albeit with only the closing section being included as part of a medley.
A Genesis tribute band, The Musical Box, is named after the song.
"For Absent Friends" is a song about two widowed individuals going to church and praying for their deceased husbands/wives. It is the first song by the band to feature drummer Phil Collins as the lead vocalist and was the first song written by the new members Collins and Steve Hackett within the band context. Progressive death metal band Opeth wrote a short instrumental with the same name, as a tribute to Genesis on their 2002 release, Deliverance. Guitarist Steve Hackett recorded a waltz version of the song for Watcher of the Skies: Genesis Revisited, with vocals by Colin Blunstone.
The lyrics to "The Return of the Giant Hogweed" tell an apocalyptic story about a "regal hogweed" being brought from Russia by a Victorian explorer to the Royal Gardens at Kew. The inspiration for this story is a large, phototoxic weed, Heracleum mantegazzianum, which poses a hazard in the United Kingdom and other countries. The song was a staple of Genesis' live performances.
"The Fountain of Salmacis" tells the story of the nymph Salmacis, who in Greek mythology attempted to rape Hermaphroditus. In the story, Salmacis and Hermaphroditus become joined as one, which is mirrored in the lyrics where Peter Gabriel sings "We shall be joined as one." Pete Lazonby used a sample of the song for the 1994 trance track Sacred Cycles.
"Harold the Barrel" tells the story of a restaurant owner who commits suicide. The song suddenly dies to a droning whisper at the end, symbolising Harold's sudden leap from a window ledge.

Reception

Critical response to the album was mixed. Richard Cromelin of Rolling Stone summarized that "Nursery Cryme's main problem lies not in Genesis' concepts, which are, if nothing else, outrageously imaginative and lovably eccentric, nor with their musical structures—long, involved, multi-movemented frameworks on which they hang their narratives—nor even with their playing, which does get pretty lethargic at points. It's the godawful production, a murky, distant stew that at best bubbles quietly when what is desperately needed are the explosions of drums and guitars, the screaming of the organ, the abrasive rasp of vocal cords." He nonetheless took the time to remark positively on some of the songs, and note that he saw promise in the band.
Retrospective reviews have been mildly positive. BBC Music praised the two new members of the band as fundamental to Genesis's artistic success, remarking "Collins’ snappy drums were augmented by his uncanny ability to sound not unlike Gabriel[...] Hackett’s armoury of tapping and swell techniques really broadened the palette of the band, giving Tony Banks more room for his Delius-lite organ filigrees, not to mention their newly purchased Mellotron", and gushed that "Genesis had virtually invented their own genre, Edwardian rock." Though Stephen Thomas Erlewine of Allmusic deemed the album highly uneven, he considered "The Musical Box" and "The Return of the Giant Hogweed" to be "genuine masterpieces", and concluded that even if the rest of the album "isn't quite as compelling or quite as structured, it doesn't quite matter because these are the songs that showed what Genesis could do, and they still stand as pinnacles of what the band could achieve." Robert Christgau's brief review consisted entirely of sarcastic exclamations. Geddy Lee of Rush included this album among his favourites in a list from an interview with The Quietus.

Track listing

All songs written by Tony Banks, Phil Collins, Peter Gabriel, Steve Hackett and Mike Rutherford.

Side one

No. Title Length
1. "The Musical Box"  10:24
2. "For Absent Friends"   1:44
3. "The Return of the Giant Hogweed"   8:09

Side two

No. Title Length
1. "Seven Stones"  5:08
2. "Harold the Barrel"   2:59
3. "Harlequin"   2:53
4. "The Fountain of Salmacis"   7:54

Artwork

The album's artwork, which depicts scenes from each song, was painted by Paul Whitehead. Whitehead was also responsible for the artwork on the Genesis albums Trespass and Foxtrot.

Release history

All releases of Nursery Cryme on Charisma Records in the U.S. were distributed by Buddah Records.
U.S. LP releases
• Charisma Records CAS-1052 (1971): 1st issue with large "Mad Hatter" label design. Gatefold cover.
• Charisma Records CAS-1052 (1973): 2nd issue with "pink scroll" label. No gatefold cover.
• Charisma Records CAS-1052 (1974): 3rd issue with small "Mad Hatter" label. No gatefold cover.
• Atlantic 80030-1 (1982): Reissue with no gatefold cover
(Fonte: Wikipédia)

Por Steve Hillage

O Genesis da fase do início dos anos 70 tinha um talento de sobra que deveria invejar a muitos dos concorrentes de rp na época especialmente quando ingressaram na etiqueta Charisma Records de Tony Stratton-Smith, o primeiro do Genesis estreiado pelo título "Trespass" (1.970) (o que acabou tornando o nome de uma banda israelense futuramente) e começava a fortalecer o lado progressivo do Genesis e iria gradualmente tendo simpatia do público e da crítica e "Trespass" além de ser conceituado deixa claro o que o Genesis pretendia nos albums seguintes. O "Nursery crime", este aqui comentado no caso, antes de ser iniciado, em suas sessões de gravações no início de 1.971 tiveram alguns "problemas" no que competia a formação da banda pois sairiam o virtuosissimo Anthony Phillips que era até então o guitarrista/violonista principal e o baterista/percussionista John Mayhew. No caso de Mayhew não se tiveram tanta preocupação em sua saída pois a banda tinha muito trabalho em esclarecer a este de como queriam editados os trabalhos e era um baterista muito dependente, e não correspondia com a edição final das sessões, ou seja, por exemplo, imagine um pedreiro que faz a construção de uma residência tem o projeto (desenho "lay-out") totalmente detalhado (com todas as características do que será executado) em mãos e não sabe interpretar o mesmo, o que caracteriza que precisa ter alguém pra ficar dando instruções que vão ser uma atrás da outra toda hora interrompendo as outras pessoas que estão envolvidas no mesmo trabalho. Era assim que acontecia com Mayhew, embora óbvio que na música !!!! Para outras pessoas alegava-se que eram problemas de saúde, mas tornava-se muito a desejar essa desculpa. Agora, quanto a Phillips a preocupação foi muito maior sem sombra de dúvida primeiro porque ele era membro fundador do Genesis, segundo porque tinha bom relacionamento com todos os companheiros da banda por serem na adolescência amigos de escola de extrema confiânça, na Fundação Britânica Chaterhouse na metade dos anos 60 e terceiro por causa do virtuosismo de Phillips que começava a se tornar cada vez mais gradual e complexo, sem contar no desenvolvimento musical criativo que Phillips possuia. Aliás isso é comprovado na carreira solo dos trabalhos de Anthony Phillips. Phillips alegava que sua permanência na banda o deixou frustado e desgastado com aquilo que estavam fazendo, é muito difícil de entender este motivo dele até hoje nos dias atuais. Naquela "altura do campeonato" eles não acreditavam em jogar fora tudo aquilo que sonhavam em serem músicos desdes os tempos de adolescentes e ai vão a procura do que necessitavam; primeiro o baterista que foi feito por meio de sessões e no meio de quase 50 surgiu Phil Collins que era de uma banda chamada "Flaming Youth" e tinha gravado um disco entitulado como "Ark II" lançado no ano de 1.969 além de 2 compactos. Collins tinha muita precisão e ritmo nas baterias e percussão, além de um vocal melodioso que no decorrer do tempo dividiria com Gabriel e é então recrutado. O guitarrista foi um pouco mais difícil, chegaram a recrutar um chamado Mike Bernard mas ficou pouco tempo fazendo apenas ensaios, quando eles encontram num anúncio musical de um guitarrista que estava procurando uma banda que o correspondesse o seus "instintos" e Peter Gabriel faz contato com este que era nada menos que Steve Hackett. Hackett tinha muito talento como guitarrista que variava desde o estilo clássico/erudito, folk, acústico também havia feito um album antes de se ingressar no Genesis numa banda chamada "Quiet World" entitulado como "The road" e lançado no ano de 1.970, aliás neste album do Genesis dá uma sensação aparente de que as guitarras de Hackett estão bem mais presentes, pelo menos ao que percebe-se diferente dos outros trabalhos que ele não demonstra tanta agressividade, talvez nesse caso como é o "Nursery crime". Em agosto de 1.971 estaria a partir deste trabalho que iniciariam até o ano de 1.975 quando o líder e vocalista Peter Gabriel salta fora e é considerado para muitos a partir de "Nursery crime" o melhor line-up formado da banda e diferente daquilo que se imaginaria que seria o "Trespass" (injustiçado, talvez por ser um único album progressivo com Anthony Phillips) e que por incrível que parece contém também uma boa formação e a banda não parece reconhecer isso e mal nos trabalhos ao vivo, só em pouquíssimas coisas realizadas contadas a dedo, todos reunidos se preparam para a elaboração de "Nursery crime" e é lançado em novembro do mesmo ano contava com a produção feita por John Anthony e do auxílio de David Hentschel teve também edições realizadas pela gravadora Philips e a capa também feita por Paul Whitehead do album anterior "Trespass", teve muita repercussão na época porque era justamente muito ousada para um disco contendo a ilustração de uma garotinha segurando um martelo de criquete e insinuando as cabeças de outras crianças serem as bolas no campo do jogo e serviu de inspiração na faixa épica "The musical box". Detalhe enigmático: quem for detalhista em observar na capa do próximo album "Foxtrot" (1.972) poderá perceber que tem semelhanças ilustrativas do album "Nursery crime" como na praia aquele grupinho de "Klux-klux-klan" ao lado do oceano e que estão próximos da árvore do casarão ao lado (Nursery crime), além do jogo de críquete (com a garotinha e a enfermeira) e o homem do guarda-sol ao lado do edifício (seria o casarão, no caso?) que estão atrás dos cavalos em "Foxtrot". O trabalho foi perfeito para o gênero de rp, geralmente abriam shows para a banda Van der Graaf Generator, também da mesma etiqueta Charisma Records e outro detalhe interessante é que eles estavam a partir deste trabalho começando a ter uma presença forte em outros paises europeus, incluindo a Itália onde as paradas musicais nas primeiras colocações os apontavam como os melhores e também pelo fato de que os artistas italianos de rock da época estavam se baseando em bandas inglesas de rp e no caso do Genesis, o próprio pais de origem, a Inglaterra, não observava isto cautelosamente. Mais tarde Anthony Phillips elogiou o resultado do trabalho embora não seria este tipo de coisa que gravaria, além de Keith Emerson, tecladista do ELP que recomendava ao público que gostava de rp também por possuir um. Enfim, a estréia deste line-up foi muito bem recebido tanto pelo público como a crítica com músicas muito bem elaboradas, criativas, originais, estruturadas mesmo com os dois novatos no Genesis, uma obra-prima como muitos dizem.

"The musical box" - é a praticamente a faixa épica do trabalho e uma marca registrada do Genesis nos anos 70 e está representado na idéia da capa elaborada pelo ilustrador Paul Whitehead. Além de ser o destaque principal do trabalho, aqui é bem perceptível a dramatização de Gabriel o que ele demonstraria nas apresentações ao vivo os personagens desta faixa, quando é visto cantando com uma máscara de um velhinho. Representa a estorinha de uma menininha de 9 anos que brinca com o coleguinha de 8 anos num campo de críquete e esta arranca a cabeça do menorzinho com uma martelada de críquete, depois essa menininha vai no quarto do coleguinha onde encontra uma caixinha musical que quando abre surge um "espectro fantasmagórico (!)" do garotinho que vai ficando envelhecido conforme a musiquinha da caixa vai tocando até que entra uma enfermeira repentinamente e destroi tudo. Com quase 10 minutos e meio de duração é a faixa mais longa do album e com vários temasinicia tranquilamente com arpejos na guitarra de 12 cordas de Hackett e aguarda a entrada de Gabriel sobre os violões tocados por Hackett, Rutherford e Banks e curiosamente percebe-se alguns vocais de Collins apoiando Gabriel nos vocais nos dois refrões que segue daí o violão de Hackett vai ficando crescente sob uma flauta e de dedilhadas na guitarra que aguarda os vocais de Gabriel novamente até que quando encerra as letras nestes dois refrões a faixa começa a entrar na parte progressiva da música juntando o órgão, guitarra e bateria ficando crescentes quando enfim entra um "grito" da guitarra de Hackett que coordena o solo até ficar novamente tranquilos sob o som de violões quando Gabriel volta a cantar e encerrar as letras novamente volta o conjunto órgão, violão, guitarra, bateria onde fazem o instrumental e percebe-se mais outros "gritos" da guitarra de Hackett, onde voltam a ficar calmos no soar de violão, guitarra e quando Gabriel termina as letras de vez da faixa o órgão de Banks começa a ficar crescente com apoio da percussão de Collins voltando o conjunto a ficar progressivo por 5 tentativas até finalizar a faixa no final. É uma das faixas geralmente requisitadas ao vivo pelo público com muito entusiasmo feito pela banda.
"For absent friends" - é a menor faixa do trabalho com pouco menos de 2 minutos de duração e detalhe é que parece que aparenta ser muito conceituada essa faixa pelo tempo que possui e pela forma que foi elaborada pois surgiu uma banda holandesa no cenário do rock que possui o nome dessa faixa (provavelmente só pode ser sob a inspiração do Genesis se não for outra coisa !!!) e além disso o baixista e integrante das bandas Camel e Caravan, Richard Sinclair chegou a regravar a faixa num tributo do Genesis pela Magna Carta em "Supper´s ready" (1.995). Essa faixa praticamente não passa de ser uma simples baladinha e tem a atração no caso da explícita exposição dos vocais de Collins duetando com Gabriel sob o som de violão e guitarra nos dois refrãos e nada mais.
"The return of the giant Hogweed" - é uma faixa também de razoavel duração com 8 minutos de música. Faz parte das de tipo meio agressivas e meio "pesadinhas". Inicia com um solo de guitarra de Hackett aguardando a bateria de Collins até que entre o vocal de Gabriel e acompanhado do piano e teclado de Banks. Gabriel parece também um ter um vocal "enfurecido" na faixa além dos instrumentos e é justamente o que percebe ao citar as primeiras frases a faixa vai ficando progressiva conforme canta até que certo momento fica meio calmo e vai ficando crescente novamente sob o efeito do teclado e guitarra nos dois refrões sendo que o terceiro no caso é instrumental e tem como o destaque do solo a flauta de Gabriel e a guitarra de Hackett. Já no próximo tema entra várias arpejadas de piano de Banks que ficam repetitivas dando oportunidade de entrar o resto do conjunto e novamente a guitarra de Hackett solando firmemente por uns instantes até que entre o vocal de Gabriel um tanto modificado junto aos vocais dos outros companheiros e aí a faixa volta a ficar progressivamente pesada com o órgão, guitarra, baixo e baterias finalizando a música. Existe uma versão oficial desta faixa no tributo "The fox lies down" (1.998), de uma banda chamada "Spirits burning", mas deixa muito o ouvinte a desejar por ouví-la, parece não ter ficado bem a versão que no caso é improvisada. Detalhe: observe com até aqui que já é metade do album como a banda evolui no som.
"Seven stones" - com um som muito bonito é até que relativamente calma, tranquila e suave a melodia mesmo nas partes mais crescentes da faixa. Inicia com a entrada de dos teclados de Banks acompanhada por notas da guitarra de Hackett até que entra suavemente o vocal de Gabriel que mantem a banda em ritmo em forma lentamente crescente até quando ouve um coro vocal acompanhado fortemente pelo órgão elétrico de Banks nos dois refrões, depois percebe-se na parte solo um moog solando com a flauta e após esse tema solo instrumental voltam ao terceiro refrão finalizando a faixa tendo no fundo o ruído de um melotron de Banks.
"Harold the barrel" - é faixa curta, mas muito agitada, bem estilo de banda mesmo, de fanfarra. Inicia com o ruído do prato da bateria de Collins aguardando os muitos acordes de piano que gradualmente vai sendo crescente conforme os 2 refrões vão sendo executados até entrar um outro tema da faixa que é mais tranquilo com o vocal de Gabriel e mais nítido os toques de piano de Banks retornando ao último refrão finalizando a faixa com acordes de piano totalmente livres dos outros instrumentos.
"Harlequin" - outra faixa também muito calma e tranquila ao longo de toda a melodia que tem muito a presença de violão de Hackett e um coro vocal apoiando Peter Gabriel nos 2 refrões.
"The fountain of Salmacis" - é outro destaque do album com quase 8 minutos de duração inicia sob o efeito dos pratos da bateria com o moog e melotron juntos fazendo muita presença acompanhado por dedilhadas de guitarra e entra o baixo e bateria que aguardam o vocal de Gabriel que fica coordenando o refrão a medida que vai ficando crescente até compartilhar o vocal com Collins, inclusive é possível perceber os vocais que estão separados por terem sido feitos em 2 canais de som diferentes. Quando encerram o segundo refrão entra um tema instrumental, pouco agressivo, mas progressivo com a entrada de guitarra, baixo e bateria que vai ficando parece que sozinha mas toda a banda volta em cena com muita batida de percussão de Collins e seguido de órgão elétrico de Banks e mais a flauta de Gabriel e este por sinal cita outros versos da faixa até que a medida que vai também crescendo ouve-se um coro acompanhado pela percussão, órgão e baixo retornando repentinamente pelo refrão que deu origem a faixa e ao encerrar Gabriel cita as últimas palavras da música sob um forte som do melotron e um coro seguido de um pequeno solo de guitarra de Hackett finalizando então a faixa.

http://www.soundchaser.com.br/reviews/G/Genesis%20%20-%20Nursery%20Crime.htm

Musicians:

Tony Banks - órgão, melotron, piano, piano elétrico, violão de 12 cordas, vocais de apoio.
Michael Rutherford - baixo, pedaleiras de baixo, violão de 12 cordas, vocais de apoio.
Peter Gabriel - vocal principal, flauta, percussão, tamborim.
Steve Hackett - guitarra elétrica, violão de 12 cordas.
Phil Collins - baterias, percussão, vocais.

. Full álbum (áudio, apenas):



Última edição por Tarcísio Caetano em Seg Jun 08, 2020 10:01 pm, editado 1 vez(es)
Tarcísio Caetano
Tarcísio Caetano
Membro

Mensagens : 5994
Localização : Brasil

Voltar ao Topo Ir em baixo

Genesis - Nursery Crime (Informações gerais) Empty Re: Genesis - Nursery Crime (Informações gerais)

Mensagem por marujo em Qua Maio 01, 2013 12:54 pm

Álbum maravilhoso
foi o primeiro que ouvi do Genesis Wink
marujo
marujo
Membro

Mensagens : 405
Localização : Guarulhos-SP

Voltar ao Topo Ir em baixo

Genesis - Nursery Crime (Informações gerais) Empty Re: Genesis - Nursery Crime (Informações gerais)

Mensagem por Maurício_Expressão em Qua Maio 01, 2013 1:31 pm

Respeito muito o Genesis. Acho uma tremenda banda. Mas foi uma das poucas bandas progressivas dos anos 70 que eu não curti. Tenho vinil, tenho DVD. Já assisití-os e já ouvi os vinis, mas apenas 1 vez de cada album. Diferente de um Yes, um Pink Floyd, um Focus, um Procol Harum, Jethro Tull e até Supertrump.
Maurício_Expressão
Maurício_Expressão
Moderador

Mensagens : 6937
Localização : São José dos Campos - SP (Brazil)

http://tramavirtual.uol.com.br/artistas/expressao

Voltar ao Topo Ir em baixo

Genesis - Nursery Crime (Informações gerais) Empty Re: Genesis - Nursery Crime (Informações gerais)

Mensagem por Masteles em Seg Maio 06, 2013 10:35 am

Obra-prima superior e maior do Progressivo Sinfônico!
Masteles
Masteles
Membro

Mensagens : 646
Localização : São Paulo

https://www.facebook.com/Arenatheband

Voltar ao Topo Ir em baixo

Genesis - Nursery Crime (Informações gerais) Empty Re: Genesis - Nursery Crime (Informações gerais)

Mensagem por marujo em Seg Maio 06, 2013 10:51 am

Maurício_Expressão escreveu:Mas foi uma das poucas bandas progressivas dos anos 70 que eu não curti.
Conheço bastante gente que gosta de prog e não curte Genesis, acho que é mal de brasileiro, porque lá fora Genesis é como The Beatles do prog, quase todos gostam.
marujo
marujo
Membro

Mensagens : 405
Localização : Guarulhos-SP

Voltar ao Topo Ir em baixo

Genesis - Nursery Crime (Informações gerais) Empty Re: Genesis - Nursery Crime (Informações gerais)

Mensagem por Masteles em Seg Maio 06, 2013 12:30 pm

marujo escreveu:
Maurício_Expressão escreveu:Mas foi uma das poucas bandas progressivas dos anos 70 que eu não curti.
Conheço bastante gente que gosta de prog e não curte Genesis, acho que é mal de brasileiro, porque lá fora Genesis é como The Beatles do prog, quase todos gostam.

Em compensação, quase todo mundo por aqui, que afirma gostar de prog endeusa o superestimado Pink Floyd!

Fico triste com isso!

Sad
Masteles
Masteles
Membro

Mensagens : 646
Localização : São Paulo

https://www.facebook.com/Arenatheband

Voltar ao Topo Ir em baixo

Genesis - Nursery Crime (Informações gerais) Empty Re: Genesis - Nursery Crime (Informações gerais)

Mensagem por Tarcísio Caetano em Seg Jun 08, 2020 10:01 pm

Atualizado em 08/06/2020.
Tarcísio Caetano
Tarcísio Caetano
Membro

Mensagens : 5994
Localização : Brasil

Voltar ao Topo Ir em baixo

Genesis - Nursery Crime (Informações gerais) Empty Re: Genesis - Nursery Crime (Informações gerais)

Mensagem por Rico em Ter Jun 09, 2020 6:16 am

O Genesis dessa época é o crème de lá crème do Rock progressivo. Músicos incríveis, com Collins ocupando o merecido destaque de mega baterista do Rock, e Gabriel se solidificando como um artista genial. Collins suou, e se não fosse tão querido, teria sido impossível substituir Gabriel.

Eu gosto dos trabalhos pop do 80, em que toda hora o grupo tava na TV, mas pra quem conheceu a primeira década da banda, Genesis é outra coisa!
Rico
Rico
Membro

Mensagens : 4316
Localização : Rio de Janeiro

Voltar ao Topo Ir em baixo

Genesis - Nursery Crime (Informações gerais) Empty Re: Genesis - Nursery Crime (Informações gerais)

Mensagem por Tarcísio Caetano em Ter Jun 09, 2020 9:20 am

Rico escreveu:O Genesis dessa época é o crème de lá crème do Rock progressivo. Músicos incríveis, com Collins ocupando o merecido destaque de mega baterista do Rock, e Gabriel se solidificando como um artista genial. Collins suou, e se não fosse tão querido, teria sido impossível substituir Gabriel.

Eu gosto dos trabalhos pop do 80, em que toda hora o grupo tava na TV, mas pra quem conheceu a primeira década da banda, Genesis é outra coisa!
Concordo com você.
Eu sou capaz de vislumbrar aquela "veia progressiva" em trabalhos da "Era Phill Collins", mas a época do Gabriel é progressiva por excelência.
O álbum The Lamb Lies Down on Broadway é uma hipersupermegamaxiadvaceplus obra prima!!!
Mas o Gênesis soube fazer a transição, não só dos vocais, como do estilo de música e sobreviver uns 30 anos mais. Isso por si só é um feito e tanto.
Tarcísio Caetano
Tarcísio Caetano
Membro

Mensagens : 5994
Localização : Brasil

Voltar ao Topo Ir em baixo

Genesis - Nursery Crime (Informações gerais) Empty Re: Genesis - Nursery Crime (Informações gerais)

Mensagem por Rico em Ter Jun 09, 2020 10:34 am

Então. Eu gosto mesmo dos anos 80 deles, mas eu gostaria ainda mais se eles se chamasse Collins, Rutherford & Banks... Ou algo assim.

Não tenho problemas em assumir isso, mas eles de certa forma macularam o legado do nome Genesis.

Eu vi Hackett ao vivo e foi absurdo. Hackett, e em outra oportunidade Glenn Hughes, fazendo o Classic Purple Live, ajudaram a dar uma boa ideia do que foi pra mim, o mais próximo que já pude presenciar de um show de bandas que eu amo em seu ápice, nos anos 70.
Rico
Rico
Membro

Mensagens : 4316
Localização : Rio de Janeiro

Voltar ao Topo Ir em baixo

Genesis - Nursery Crime (Informações gerais) Empty Re: Genesis - Nursery Crime (Informações gerais)

Mensagem por Tarcísio Caetano em Ter Jun 09, 2020 5:35 pm

Entendo você, com certeza.

Assisti o show do Hackett, quando ele passou por BH. Foi demais!!!
E quando eles tocaram "Shadow of The Hierophant", uma das minhas músicas preferidas de todos os tempos, no geral, chorei do início ao fim, porque havia dito para os amigos que foram comigo que iria "pirar" se rolasse esta música.
Nunca imaginei viver para ver!!!
Tarcísio Caetano
Tarcísio Caetano
Membro

Mensagens : 5994
Localização : Brasil

Voltar ao Topo Ir em baixo

Genesis - Nursery Crime (Informações gerais) Empty Re: Genesis - Nursery Crime (Informações gerais)

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum