Entrevista com Scott Thunes

Ir em baixo

Entrevista com Scott Thunes Empty Entrevista com Scott Thunes

Mensagem por Sá Reston em Ter Out 13, 2009 1:52 pm

Entrevista com Scott Thunes (baixista de Frank Zappa por 8 anos) publicada na Bass Player... Imperdível. Concorde ou não, dá muito o que pensar...

------------------------------------------------------------------------
If you've never heard Scott Thunes play the bass, you can't appreciate how far the instrument can be taken. Thunes will dispute that notion, of course-he takes issue with the idea he's a great bassist. The former Frank Zappa sideman (whose surname is pronounced TOOness) is a contrarian of the highest order. He disagrees with almost any statement of a declarative nature, at least when it concerns his role in music and his approach to the bass. He' s of the opinion that much of the brilliant live work he recorded with Zappa is riddled with mistakes, each of which he's apt to point out in exacting detail.

Raised in San Anselmo, California, Thunes took up the bass at age ten, when his mother and guitarplaying older brother decided the family needed a bassist. His burgeoning skills earned him an early admission to the College of Marin at age I5, where he studied jazz and discovered the works of classical composer Béla Bartók. Simultaneously, he was exposed to the new wave band Devo-a revelation that eventually knocked him free of his jazz-based moorings. Following a failed bid to enter the San Francisco Conservatory of Music as a conducting major, he parked cars and played in local rock and new wave bands, despite having decided that classical music was "the supreme expression of musical art."

In 1981, Thunes contacted Frank Zappa at the behest of his brother, who had himself tried unsuccessfully to audition for Zappa's group. Scott recorded some tracks in Los Angeles and was summoned back for the formal audition a week later. This session included improvising to arrhythmic tracks played on a drum machine, as well as performing the same song with two other auditioning bassists, the three of them competing face-to-face.

Once hired, Thunes toured and recorded with Zappa until 1988. During this period, he also recorded several albums with Frank's son Dweezil, forming a touring band with him in '89. In '93, Thunes left Dweezil's group, toured briefly with guitarist Steve Vai, and recorded and toured with the punk band Fear. In between construction jobs, temp work, and various local gigs in Los Angeles and the Bay Area, he also recorded with the Waterboys, Andy Prieboy, Wayne Kramer, Mike Keneally, and the Vandals, among others.

At the time of this interview, Scott Thunes was working as a doorman at the Paradise Lounge in San Francisco. You see, his resume doesn't mention that his musical career could be seen as one endless melee, or that he's been fired from as many bands as he's quit. And Scott admits most of the people he has worked with will never call him again.

Even so, from an artistic standpoint, Thunes would be quite a catch for any group. Few bassists have played with his sheer scope and energy. If you compare two of Frank Zappa's better live records, Does Humor Belong in Music? and Make a Jazz Noise Here, for example, it' s hard to believe the same person is playing the bass. Scott's greatest gift is probably his ability to combine music theory with a natural exuberance on the instrument, resulting in a melodic, improvisational, emotional, and absolutely free voice that's unique and impossible to duplicate-despite his claims to the contrary.

Thunes reluctantly agreed to talk at his Marin County home, suggesting I come hang with him for an afternoon before the formal interview. Some of his former colleagues had warned me to beware of his abrasiveness, regaling me with mindboggling stories of his antics on and off the stage. Although opinions about Scott varied, one universal observation stood out: Thunes has an atavistic loathing of stupidity and smallmindedness, an attitude that could hardly have served him well in Los Angeles. At his house, we spent the first afternoon drinking coffee and chatting about films, music, art, and travel. We read aloud to each other from our favorite writers, went for a couple of walks, and listened to some CDs. The actual interview took place two days later. It was, sadly, without incident-although it was oddly thrilling to be called "Pookie," a name he gave me after we had been together a scant I5 minutes. As for the larger question, whether or not he's really through with the business...well, Frank Zappa himself also stopped touring in 1982. And in '84. And in '88.

You've said you have a problem being called a bass player. Can you explain?

Sure. When I learned how to play the bass, it was by default; I didn't really choose it for myself. When my mom brought one home, I was too young to appreciate any musicality about it-so I stopped playing within six months. I started up again because I saw my brother and his friends having so much fun, and playing the bass became a way to get into music-a way for my musicality to be expressed.
Within a short time, I exhibited talent for the instrument. In college, I was in the jazz band, orchestra, and wind band; I was learning tons of stuff. But I never thought of myself as a bass player; I was a musician. The actual role of the bassist does not interest me, and I don't know how it could interest anybody else. It's the ultimate non- glory position. Singers, guitar players, drummers, bass players-that's how it goes, in order of importance. Though the function of the bass is very important in a rock band, I've never ever been able to perform that function without irony.

But lots of people listen to your work and say to themselves, "Compared to him, I'm not a bass player."

Well, I hate to call them fools, but they don't know anything about music. What does it matter if you're a bass player? Pick another instrument you can express yourself on. I express myself on the bass because I've been playing it for 25 years. Visualizing its fingerboard is simple for me. It's simpler than the guitar, which has that third between the G and B strings that throws me off. The joy of playing the bass is having my voice come out on an instrument; I don't understand how that makes me a bass player. I also can't understand how that makes me a chosen role model, because it's the voice that's important, not the instrument. Everyone's trying to make the bass the voice. Stu Hamm playing the "Moonlight Sonata?" It's an ugly sound-don't do it! Step away from the bass! If you think the sound of the bass is more important than your own personal voice, you've missed the point of music completely.

Couldn't what you do on the bass be considered as having the same impact as Stu Hamm playing the "Moonlight Sonata" without the flashiness?

That's got to be impossible, because I was not the first person to do what I do. I got it from somebody else. How come people don't listen to that person as well?

So who is that person?

John Paul Jones. He was my role model in the meshing of riffing with a personal melodic voice. When he was given a chance, he played melodies. And I know he's not the best bass player in the world, but neither am I. He wasn't supposed to be a great bassist. Most guitar players don't want a great bass player to play against, because they don't want the complicated dynamic interplay; they prefer more of an orchestrated interplay. That's what I performed: an orchestrated interplay with the other instruments. Most of the time guitar parts are fairly rigid, giving me tons of room to be fluid. And it's unfair I should be given even slight credit for something I don't feel pushed the boundaries of the instrument.

Do you repudiate the idea that your playing is of any value, that young bassists might look to you as a role model?

No. Yes. [Laughs.] I do not repudiate the idea that my playing has any value-just that I'm a role model. I can't be a bass player, I don't want to be a bass player, I have no interest in being a bass player; I don't want to fulfill that role. I want to be Scott Thunes, who has a voice. The music has always been my role model. And if there isn't anything juicy in it, I don't have anything to play against.
That's what John Paul Jones did: his voice was heard in conjunction with all the other voices. And that shouldn't have worked, because Jimmy Page, who's one of my favorite guitar players in the universe, is not a very good guitarist. But he's got great ideas, and he attempts to perform them.

Even if you're not a role model, there are people who would kill to play on the records you've played on.

Then kill! Go ahead and kill! [Laughs.]

There are also a lot of people who think you're an idiot for throwing it all away.

I didn't throw anything away! They threw me away. I didn't leave Los Angeles until I couldn't get a gig for two years. I did stay after I wasn't needed anymore, though, but I was with a girlfriend, I was in love, and I was having a good time. But you don't kill for a musical gig- it's not worth it! If you're going to school to learn how to be a musician, you're not learning how to be a rock star, and you're not learning how to be famous. You're learning to play music- that's it! It doesn't mean you get a band, it doesn't mean you hook up with friends ... it doesn't mean dick! You spent $5,000 on school? Great! That means you spent $5,000 on school. Now, get a job. And I don't mean in the musical world-I mean get a job.

You referred to yourself a couple days ago as a "musical has-been." Since you're a doorman at a club now and you're looking for work in the computer fleld, can you see how some people might see that as a tragic waste?

No, because it's their fault. It's the audiences fault for being party to rock bullshit-for accepting the false truths that leaders of rockbands present to the world so people will think they're cool. If they only knew what these people are really like ... nobody deserves anything, especially not these people. I mean, I don't deserve what I got from Frank. I truly understand for myself that it was an absolute fluke of timing and nature that Frank wanted what I had to offer at that point in time. I'm a good bass player, fine. I'm a great bass player, great. Think whatever you want. But I'm Scott Thunes first and foremost, and that's where most of my problems come from. I deserve the happiness I can get from my chosen life, but not musical glory. I do not deserve musical glory. No musicians do, unless they are golden. And I don't know anybody who's golden.

What about if you have ability and an original approach? Don't you deserve to be heard just based on your skill?

Where? Where are you going to find a group of people I could work with and express myself within the confines of happiness? All of these CDs you've listened to were born from almost total emotional degradation, and I'd rather not touch the bass again until I can be happy doing it. I would much rather make $8 an hour work- ing at a club than go out on the road playing Make a Jazz Noise Here-type music and being, away from my wife. Anyway, music doesn't pay. If I can make more money working at a computer company that's doing interesting stuff, and if I can be happy at home every night, and if I've already played with Frank Zappa, where else is there to go?

If you won the lottery today and never had to work again, would you still be interested in music?

Oh, absolutely-but not the bass. I'd orchestrate. I would write pieces for other people to play, and I would sit back and watch. And there would be no bass player in my music. If I had my druthers, I would never, ever write for a rock band. I have no interest in writing songs. Being in a band isn't worth it. Most bands don't deserve to be together; they don't have enough songs to present to the world, and they don't deserve to have their music presented to the world. You are a lucky motherfucker to be able to stand onstage for even five seconds and have people stare at you. Ninety-eight percent of the bands out there do not deserve it for a sec- ond, let alone for an entire career.

Wouldn't it be a shame if people didn't get a chance to hear what you have to offer?

They have a chance. Those aIbums are out, and you can buy them. What else do they need to know? How many more recordings of my performances do they need to hear before they get it?

As many as possible?

No. If people hear more albums, will they learn more? Would they even understand it? Because all it is, really, is music theory. What I learned in music school was that in modern music, you can play any note against any chord and make it mean something. If you don't know how you're using it, or where it resolves, you're an idiot-you shouldn't be in music. I learned a couple of simple laws, and I utilized them. If you can't get that from two or three improvisatory bass lines of mine, you're not going to get it in two years of schooling. It's going to be shoved down your throat, and you're still not going to get it.

* * *

Thunes talks about the notorious 1988 tour of the Zappa band, the demise of which he is reputed to have caused. It takes him almost half an hour to explain. He describes a secret world of "Clonemeisters," "Magic Words," and smoking and nonsmoking buses-an exotic milieu spoiled by unbelievable pettiness, mean-spiritedness, poor judgment, spite, and bruised egos. He has no problem naming names, although it's clear that despite his jocular tone he takes no pleasure in reliving the experience. The awful childishness of the Mutilating of the Laminate and the Cake lncident, for example, illustrates the inadvisability of working and touring with people for whom one feels nothing but personal animosity. Ironically, many consider the '88 band to be one of Zappa's best, strictly in terms of pure musical prowess.

Isn't the pleasure or release of playing in a great band enough to make someone strong enough to take anything, no matter how bad?

Show me a good band, and I'11 tell you why there's tension in that band. And for the people who perform it, music very rarely releases tension; it almost always increases tension. And music does not help you to be a nice person. Why should a good musician be a nice person? There's no connection there. Tension increases; we all have our issues, and everybody's human.
Frank was a special case. He put up with a bunch of shit to allow the 1988 tour to work- but he wanted all the juice with none of the blood. All of those albums I played on have blood on every track; there's danger inherent in everything on them. Even during the standardized performances, there was danger lurking behind every single note. I dig tension in my music, because I know from modern classical music that tension can coexist with normalcy. Frank was a big fan of that.
Once in Barcelona, someone in the band came up to me and screamed, "Don't you know what a privilege it is to play with Frank? How can you ruin his music?" I play a lot of lines; I pick chunks out of the air, and instead of playing bass, I play Scott Thunes's part in the orchestration. And of course the whole idea of being a bass player is not to overplay: you "play the bass." But I've never done that-and if Frank isn't asking me to do that, don't you ask me. So at that particular moment I got out my headphones and put them on, and I started listening to classical music while this guy's mouth went, [flapping lower jaw] Beh- beh-beh-beh-beh. It was delicious.
At the end of the tour, Frank decided he wasn't going to play anymore, because the rest of the band had told him they wouldn't go out with me again. When he told me that, I said, "I'll gladly quit." He said, "That's not the answer. I like you, and I like what you do -except for all the mistakes you've been making." Because every night onstage, I was surrounded by daggers and completely lost my concentration. For three months I was a wreck, and the music suffered because of my mistakes. Frank's only enjoyment was playing guitar solos, and those fell apart; he ended up not doing any. We also ended up not doing any more three-hour soundchecks. We'd play just two songs, and then he'd get out of there. He could not stand being in the same room with us. It was the worst possible combination of events for him.

If everyone had gotten along, would the music have been that much better?

Yes. We would have been happily intercommunicating.

How did you develop your ability to improvise?

I was given jazz lessons at an early age. One of my bass teachers taught me how to listen to Ron Carter playing behind Sonny Rollins, and I later utilized a concept I learned-adding tone chords-in rock. Most of the time when I'm playing weird stuff against normal-sounding stuff, I'm adding a whole other chord. That's similar to polytonal or bitonal classical music, and jazz, because a lot of jazz chords are just one chord superimposed over a solo bass note or another chord. It's the simplest thing in the world. I just gave away $2,000 worth of lessons.
I know I should be playing way less. I shouldn't even have this knowledge. Bass players aren't supposed to have ideas; they're supposed to be functionaries. If you're a bass player in a rock band, you are by definition a moron- because you are doing nothing except what the song requires. With Frank, though, my job was to serve him. Frank had different needs at different times, and that's where the low-level functionaryism came in-and that's also where I was earning my money. The moments of improvisatory freedom are when I was able to do what nobody else was doing. The Scott Thunes Effect, baby.

Is this approach the sort of thing that led people to say you're hard to get along with? Your insistence on going your own way onstage?

No, it's definitely in my personal life. Onstage, stuff was turned into a negative only by people who didn't like that form of communication to begin with-who didn't want people to step out of their pre-determined roles. They didn't realize the unspoken bond Frank and I had in the string arena. But if I told someone to leave me alone, I was [in Betty Boop voice] "being abrasive." If you tell me what to do, I will get angry. If you say something stupid, I will get angry. If you attempt to drag my conversation down to a moronic level, I will get angry-and I will stomp out of the room. I need to hear beauty in verbiage and musicality. That's my requirement.

You've said you had problems with drummers, but on lots of the live recordings you and the drummer are very right. There's an echoing of rolls that's so dead-on, it seems almost like telepathy.

That's the stupidest thing I've ever heard! I'm listening and reacting to him-that's all you're hearing. As a matter of fact, I'm being led around by the nose. All I'm doing is saying to myself, "What is there to react to? I can listen to Frank, I can listen to the keyboards, but I know all the riffs. The only strange thing might be the drums." On the other hand, you might be hearing an orchestration we had worked out months in advance.

So how did you end up with Fender basses?

I heard Tom Fowler on Frank's album Roxy and Elsewhere [BarkingPumpkin]; he had a black P-Bass with a white pickguard, and he played with a pick. That sound intrigued me: it growled, and it was ugly. Yet he could play all of these complicated riffs, and it didn't sound overly technical the way he did it. It sounded ... really cool. In my first couple of years with Frank, I used Carvin instruments, but that wasn't my voice. The first year I used the P-Bass was 1984; around that time, Frank started letting me do anything I wanted, and what I did that wasn't rancid was good. And in '88, when he gave me complete and utter carte blanche, I shone in the ultimate ways a bass player can shine. I had the tone I wanted, I had the amplification I wanted, and I had the performer's arena.

You told me earlier you don't view yourself as an artist but rather as a flawed craftsman.

In the two days since we've discussed this, I've changed my mind. You're absolutely correct: I'm an artist. I'm a naive artist, like Howard Finster, who did the album cover for Talking Heads' Little Creatures. It's folk art-and from the way he paints, it looks like if he attempted to build a chair, it would be un-sit-in-able. My bass playing is un-sit-in-able. It's not meant to functionalize the four legs of the bass-playing experience. It's folk art in the most extreme and financially remunerative fashion. Frank chose me as his local spoon player; all I did was rattle around on my strings, cross my fingers, and hope I didn't get fired the next week.

What do you think of the idea that you saying, "I haven't done anything special on the bass," is really just an inverted way of saying, "I'm the best bassist in the world"?

[Blows huge raspberry and laughs raucously.]
What does that even mean?

Well, it's hard to believe you honestly think you're not a creative force on the bass.

I did not extend the realm of the bass. No way. If you're a good bass player, right now you could play everything I ever played, if it were written out and you practiced for a week. Great bass playing can take you to the top-but I'm not at the top.
My whole musical life has been one oddity after another. Everything I've tried to do hasn't worked, and when I try to do nothing, things come to me. There's no joy in being thwarted; there's no glory in the fight well fought and lost, especially in music. Music has found me unnecessary, but it has placed me here in happiness for the first time in years, so there's no sadness.
I have achieved something many musicians will never have: happiness. Everything else comes second. I don't want to come off like a hibernating Zen monk; it's not that I stepped down off the mountain. I spent ten years in Los Angeles thinking my $300 a week from Dweezil was the best I could get. I was depressed, but I did my job with as much aplomb as I could. And that's what most people want. Most people just want to be in a rock band. They want their musical ideas to be valid. I'd rather have my life be valid. My story isn't anywhere near as bad as people who have lost everything, because I never had anything to lose. I've always been searching for happiness, and I've found it. That's about all there is to say.

---------------------------------------------------------------------------------

Se houver algum problema em postar a entrevista assim, por favor me avisem...


Última edição por Sá Reston em Qui Set 22, 2011 11:34 pm, editado 2 vez(es)
Sá Reston
Sá Reston
Membro

Mensagens : 5798
Localização : São Paulo

http://www.sareston.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Entrevista com Scott Thunes Empty Re: Entrevista com Scott Thunes

Mensagem por Tiago Bass em Ter Out 13, 2009 1:56 pm

Não tem ela traduzida não ???rsrsrsrs
vou esperar o pessoal que manja do inglês mesmo comentar , pra eu saber do que se trata !!!!
Tiago Bass
Tiago Bass
Membro

Mensagens : 2221
Localização : São Paulo

http://www.myspace.com/tiagodomingues

Voltar ao Topo Ir em baixo

Entrevista com Scott Thunes Empty Re: Entrevista com Scott Thunes

Mensagem por Guilé em Ter Out 13, 2009 1:59 pm

Caramba !!!
Guilé
Guilé
Membro

Mensagens : 5568
Localização : GPS

https://www.facebook.com/logaritmoinstrumental

Voltar ao Topo Ir em baixo

Entrevista com Scott Thunes Empty Re: Entrevista com Scott Thunes

Mensagem por Zubrycky em Seg Maio 25, 2020 6:25 pm

Curiosamente, encontrei ontem, relendo aleatoriamente a minha coleção de antigas revistas Bass Player americanas, a edição com esta entrevista.
Zubrycky
Zubrycky
Membro

Mensagens : 13362
Localização : São Paulo

https://www.youtube.com/zubrycky

Voltar ao Topo Ir em baixo

Entrevista com Scott Thunes Empty Re: Entrevista com Scott Thunes

Mensagem por Tarcísio Caetano em Qua Maio 27, 2020 10:33 am

Coitado do @Tiago Bass...
A 11 anos esperando alguém comentar/traduzir a entrevista hide Ri Muito Ri Muito Ri Muito Ri Muito
Tarcísio Caetano
Tarcísio Caetano
Membro

Mensagens : 5878
Localização : Brasil

Voltar ao Topo Ir em baixo

Entrevista com Scott Thunes Empty Re: Entrevista com Scott Thunes

Mensagem por Tarcísio Caetano em Qua Maio 27, 2020 10:56 am

Traduzida via "Google" (meu nano-inglês é uma bosta!)

Se você nunca ouviu Scott Thunes tocar o baixo, não pode apreciar o quão longe o instrumento pode ser levado. Thunes contestará essa noção, é claro - ele discorda da ideia de ser um ótimo baixista. O ex-companheiro de Frank Zappa (cujo sobrenome é pronunciado TOOness) é um oposto da mais alta ordem. Ele discorda de quase qualquer afirmação de natureza declarativa, pelo menos quando se trata de seu papel na música e de sua abordagem ao baixo. Ele acredita que grande parte do brilhante trabalho ao vivo que gravou com Zappa está cheio de erros, cada um dos quais ele pode apontar com detalhes exatos.
Criado em San Anselmo, Califórnia, Thunes assumiu o baixo aos dez anos, quando sua mãe e seu irmão mais velho decidiram que a família precisava de um baixista. Suas habilidades crescentes lhe renderam uma admissão precoce no Colégio de Marin, aos 15 anos, onde estudou jazz e descobriu as obras da compositora clássica Béla Bartók. Simultaneamente, ele foi exposto à banda new wave Devo - uma revelação que acabou por libertá-lo de suas amarras baseadas no jazz. Após uma tentativa fracassada de entrar no Conservatório de Música de São Francisco como regente, ele estacionou carros e tocou em bandas locais de rock e new wave, apesar de ter decidido que a música clássica era "a expressão suprema da arte musical".
Em 1981, Thunes contatou Frank Zappa a pedido de seu irmão, que havia tentado, sem sucesso, fazer um teste para o grupo de Zappa. Scott gravou algumas faixas em Los Angeles e foi convocado para a audição formal uma semana depois. Esta sessão incluiu a improvisação de faixas arrítmicas tocadas em uma bateria eletrônica, bem como a execução da mesma música com outros dois baixistas de audição, os três competindo cara a cara.
Uma vez contratado, Thunes excursionou e gravou com Zappa até 1988. Durante esse período, ele também gravou vários álbuns com o filho de Frank Dweezil, formando uma banda em turnê com ele em 89. Em 93, Thunes deixou o grupo de Dweezil, fez uma breve turnê com o guitarrista Steve Vai e gravou e fez uma turnê com a banda punk Fear. Entre trabalhos de construção, trabalhos temporários e vários shows locais em Los Angeles e Bay Area, ele também gravou com os Waterboys, Andy Prieboy, Wayne Kramer, Mike Keneally e Vandals, entre outros.
Na época desta entrevista, Scott Thunes estava trabalhando como porteiro no Paradise Lounge em São Francisco. Veja bem, o currículo dele não menciona que sua carreira musical poderia ser vista como um corpo a corpo sem fim, ou que ele foi demitido de tantas bandas quanto desistiu. E Scott admite que a maioria das pessoas com quem trabalhou nunca mais o ligará.
Mesmo assim, do ponto de vista artístico, Thunes seria uma pegadinha para qualquer grupo. Poucos baixistas tocaram com seu escopo e energia. Se você comparar dois dos melhores discos ao vivo de Frank Zappa, o Humor Belong in Music? e faça barulho de jazz Aqui, por exemplo, é difícil acreditar que a mesma pessoa esteja tocando baixo. O maior presente de Scott é provavelmente sua capacidade de combinar teoria musical com uma exuberância natural no instrumento, resultando em uma voz melódica, improvisada, emocional e absolutamente livre, única e impossível de duplicar - apesar de suas afirmações contrárias.

Thunes concordou com relutância em conversar em sua casa no Condado de Marin, sugerindo que eu fosse passear com ele por uma tarde antes da entrevista formal. Alguns de seus ex-colegas haviam me avisado para tomar cuidado com sua abrasividade, regalando-me com histórias impressionantes de suas travessuras dentro e fora do palco. Embora as opiniões sobre Scott tenham variado, uma observação universal se destacou: Thunes tem uma aversão atávica à estupidez e à mesquinhez, uma atitude que dificilmente o teria servido bem em Los Angeles. Na casa dele, passamos a primeira tarde tomando café e conversando sobre filmes, música, arte e viagens. Lemos em voz alta uns dos outros escritores favoritos, fizemos algumas caminhadas e ouvimos alguns CDs. A entrevista real ocorreu dois dias depois. Foi, infelizmente, sem incidentes - embora fosse estranhamente emocionante ser chamado de "Pookie", um nome que ele me deu depois de passarmos alguns minutos e meio. Quanto à questão mais ampla, se ele está ou não terminando o negócio ... bem, o próprio Frank Zappa também parou de fazer turnês em 1982. E em 84. E em 88.
Você disse que tem um problema em ser chamado de baixista. Você pode explicar?
Certo. Quando eu aprendi a tocar baixo, era por padrão; Eu realmente não escolhi para mim. Quando minha mãe trouxe uma casa, eu era jovem demais para apreciar qualquer musicalidade a respeito - então parei de tocar em seis meses. Comecei de novo porque vi meu irmão e seus amigos se divertindo muito, e tocar baixo se tornou uma maneira de entrar na música - uma maneira de expressar minha musicalidade.
Em pouco tempo, exibi talento para o instrumento. Na faculdade, eu fazia parte da banda de jazz, orquestra e banda de sopro; Eu estava aprendendo toneladas de coisas. Mas nunca pensei em mim como baixista; Eu era músico. Mas nunca pensei em mim como baixista; Eu era músico. O papel real do baixista não me interessa, e eu não sei como isso poderia interessar a mais alguém. É a posição final da não-glória. Cantores, guitarristas, bateristas, baixistas - é assim que acontece, em ordem de importância. Embora a função do baixo seja muito importante em uma banda de rock, nunca fui capaz de executá-la sem ironia.
Mas muitas pessoas ouvem seu trabalho e dizem para si mesmas: "Comparado a ele, eu não sou baixista".
Bem, eu odeio chamá-los de tolos, mas eles não sabem nada sobre música. O que importa se você é um baixista? Escolha outro instrumento em que você possa se expressar. Eu me expresso no baixo porque toco há 25 anos. Visualizar seu fingerboard é simples para mim. É mais simples que o violão, que tem o terceiro entre as cordas G e B que me impressionam. A alegria de tocar baixo é fazer minha voz sair em um instrumento; Não entendo como isso me torna um baixista. Também não consigo entender como isso me torna um modelo escolhido, porque é a voz que é importante, não o instrumento. Todo mundo está tentando fazer do baixo a voz. Stu Hamm tocando a "Sonata ao luar?" É um som feio - não faça isso! Afaste-se do baixo! Se você acha que o som do baixo é mais importante que a sua voz pessoal, você perdeu completamente o objetivo da música.

O que você faz no baixo não pode ser considerado como tendo o mesmo impacto que Stu Hamm tocando a "Moonlight Sonata" sem o brilho?
Isso tem que ser impossível, porque eu não fui a primeira pessoa a fazer o que faço. Eu peguei de outra pessoa. Como as pessoas não ouvem essa pessoa também?
Então quem é essa pessoa?
John Paul Jones. Ele foi meu modelo na mistura de riffs com uma voz melódica pessoal. Quando ele teve uma chance, ele tocou melodias. E eu sei que ele não é o melhor baixista do mundo, mas nem eu. Ele não era um ótimo baixista. A maioria dos guitarristas não quer um ótimo baixista para tocar, porque não quer a complicada interação dinâmica; eles preferem mais uma interação orquestrada. Foi o que eu fiz: uma interação orquestrada com os outros instrumentos. Na maioria das vezes, as partes da guitarra são bastante rígidas, dando-me muito espaço para ser fluido. E é injusto que eu deva receber um leve crédito por algo que não me parece ir além dos limites do instrumento.
Você repudia a idéia de que sua música tem algum valor, de que os jovens baixistas podem olhar para você como um modelo?
Não. Sim. [Risos.] Não repudio a ideia de que minha atuação tenha algum valor - apenas que sou um modelo. Não posso ser baixista, não quero ser baixista, não tenho interesse em ser baixista; Eu não quero cumprir esse papel. Eu quero ser Scott Thunes, que tem voz. A música sempre foi meu modelo. E se não houver nada de bom nisso, não tenho nada contra o que jogar.
Foi o que John Paul Jones fez: sua voz foi ouvida em conjunto com todas as outras vozes. E isso não deveria ter funcionado, porque Jimmy Page, que é um dos meus guitarristas favoritos no universo, não é um guitarrista muito bom. Mas ele tem ótimas idéias e tenta executá-las.
Mesmo que você não seja um modelo, existem pessoas que matariam para tocar nos discos em que você tocou.
Então mate! Vá em frente e mate! (Risos)
Também existem muitas pessoas que pensam que você é um idiota por jogar tudo fora.
Eu não joguei nada fora! Eles me jogaram fora. Eu não saí de Los Angeles até não conseguir um show por dois anos. Mas fiquei depois que não era mais necessário, mas estava com uma namorada, estava apaixonada e estava me divertindo. Mas você não mata por um show musical - não vale a pena! Se você está indo para a escola para aprender a ser músico, não está aprendendo a ser uma estrela do rock nem a ser famoso. Você está aprendendo a tocar música - é isso! Isso não significa que você recebe uma banda, não significa que você fica com os amigos ... não significa pau! Você gastou US $ 5.000 na escola? Ótimo! Isso significa que você gastou US $ 5.000 na escola. Agora, arrume um emprego. E eu não quero dizer no mundo musical, quero dizer, conseguir um emprego.

Você se referiu a si mesmo há alguns dias como um "musical já foi". Já que você é porteiro em um clube e está procurando trabalho no campo de computadores, consegue ver como algumas pessoas podem ver isso como um desperdício trágico?
Não, porque é culpa deles. A culpa é do público por fazer parte das tretas do rock - por aceitar as falsas verdades que os líderes das bandas de rock apresentam ao mundo para que as pessoas pensem que são legais. Se eles soubessem como realmente são essas pessoas ... ninguém merece nada, especialmente essas pessoas. Quero dizer, não mereço o que recebi de Frank. Eu realmente entendo por mim mesmo que foi um acaso absoluto de tempo e natureza que Frank queria o que eu tinha a oferecer naquele momento. Eu sou um bom baixista, tudo bem. Eu sou um ótimo baixista, ótimo. Pense o que quiser. Mas eu sou Scott Thunes em primeiro lugar, e é daí que vem a maioria dos meus problemas. Eu mereço a felicidade que posso obter da minha vida escolhida, mas não a glória musical. Eu não mereço glória musical. Nenhum músico faz, a menos que seja dourado. E não conheço ninguém que seja dourado.
E se você tiver habilidade e uma abordagem original? Você não merece ser ouvido apenas com base em sua habilidade?
Onde? Onde você encontrará um grupo de pessoas com quem eu poderia trabalhar e me expressar dentro dos limites da felicidade? Todos esses CDs que você ouviu nasceram de uma degradação emocional quase total, e eu prefiro não tocar o baixo novamente até que eu possa ser feliz fazendo isso. Eu preferiria ganhar US $ 8 por hora trabalhando em um clube do que sair na estrada tocando música do tipo "Faça um barulho de jazz aqui" e estar longe da minha esposa. De qualquer forma, a música não compensa. Se eu posso ganhar mais dinheiro trabalhando em uma empresa de computadores que está fazendo coisas interessantes, e se eu posso ser feliz em casa todas as noites, e se eu já joguei com Frank Zappa, para onde mais podemos ir?
Se você ganhou na loteria hoje e nunca teve que trabalhar novamente, ainda estaria interessado em música?
Ah, absolutamente, mas não o baixo. Eu orquestraria. Eu escrevia peças para outras pessoas tocarem e sentava e assistia. E não haveria baixista na minha música. Se eu tivesse meus cantores, nunca, jamais escreveria para uma banda de rock. Não tenho interesse em escrever músicas. Estar em uma banda não vale a pena. Muitas bandas não merecem ficar juntas; eles não têm músicas suficientes para apresentar ao mundo e não merecem ter sua música apresentada ao mundo. Você é um filho da p#$% de sorte por poder ficar no palco por até cinco segundos e ter as pessoas olhando para você. Noventa e oito por cento das bandas por aí não a merecem por um segundo, muito menos por uma carreira inteira. Não seria uma pena se as pessoas não tivessem a chance de ouvir o que você tem a oferecer?

Eles têm uma chance. Esses álbuns foram lançados e você pode comprá-los. O que mais eles precisam saber? Quantas gravações mais das minhas performances eles precisam ouvir antes de conseguir?
O maior número possível?
Não. Se as pessoas ouvirem mais álbuns, elas aprenderão mais? Eles entenderiam isso? Porque tudo o que é realmente é teoria musical. O que aprendi na escola de música foi que, na música moderna, você pode tocar qualquer nota contra qualquer acorde e fazer com que isso signifique alguma coisa. Se você não sabe como está usando ou onde resolve, você é um idiota - não deveria estar na música. Aprendi algumas leis simples e as usei. Se você não conseguir isso com duas ou três linhas de improvisação minhas, você não conseguirá isso em dois anos de escolaridade. Vai ser empurrado pela sua garganta, e você ainda não vai conseguir.
Thunes fala sobre a notória turnê de 1988 da banda Zappa, cujo falecimento ele causou. Leva quase meia hora para explicar. Ele descreve um mundo secreto de "Clonemeisters", "Magic Words" e ônibus para fumantes e não fumantes - um ambiente exótico estragado por inacreditáveis mesquinhez, mesquinhez, mau juízo, maldade e egos feridos. Ele não tem nenhum problema em nomear nomes, embora seja claro que, apesar de seu tom jocular, ele não gosta de reviver a experiência. A péssima infantilidade do incidente Mutilador de Laminado e Bolo, por exemplo, ilustra a improcedência de trabalhar e fazer turnês com pessoas pelas quais ninguém sente nada além de animosidade pessoal. Ironicamente, muitos consideram a banda de 88 uma das melhores do Zappa, estritamente em termos de pura proeza musical.
Não é o prazer ou o lançamento de tocar em uma grande banda o suficiente para tornar alguém forte o suficiente para levar alguma coisa, não importa quão ruim seja?
Mostre-me uma boa banda, e eu vou lhe dizer por que há tensão nessa banda. E para as pessoas que a tocam, a música raramente libera tensão; quase sempre aumenta a tensão. E a música não ajuda você a ser uma pessoa legal. Por que um bom músico deve ser uma pessoa legal? Não há conexão lá. A tensão aumenta; todos temos nossos problemas e todos são humanos.
Frank era um caso especial. Ele aguentou um monte de m$%& para permitir que a turnê de 1988 funcionasse - mas ele queria todo o suco sem sangue. Todos os álbuns em que eu toquei têm sangue em todas as faixas; há perigo inerente a tudo neles. Mesmo durante as apresentações padronizadas, havia um perigo por trás de cada nota. Eu cavo tensão na minha música, porque sei da música clássica moderna que a tensão pode coexistir com a normalidade. Frank era um grande fã disso.
Uma vez em Barcelona, alguém da banda veio até mim e gritou: "Você não sabe que privilégio é tocar com Frank? Como você pode arruinar a música dele?" Eu toco muitas linhas; Pego pedaços no ar e, em vez de tocar baixo, interpreto o papel de Scott Thunes na orquestração. E, claro, toda a idéia de ser um baixista não é exagerar: você "toca o baixo". Mas nunca fiz isso - e se Frank não está me pedindo para fazer isso, não me pergunte. Então, naquele momento em particular, peguei meus fones de ouvido e os coloquei, e comecei a ouvir música clássica enquanto a boca desse cara tocava, [batendo a mandíbula] Beh-beh-beh-beh-beh. Estava uma delícia.
No final da turnê, Frank decidiu que não tocaria mais, porque o resto da banda havia dito a ele que não sairiam comigo novamente. Quando ele me disse isso, eu disse: "Ficarei feliz em desistir". Ele disse: "Essa não é a resposta. Gosto de você e gosto do que você faz - exceto por todos os erros que cometeu". Porque todas as noites no palco, eu estava cercada por punhais e perdia completamente minha concentração. Por três meses eu estava em ruínas, e a música sofreu por causa dos meus erros. O único prazer de Frank era tocar solos de guitarra, e esses desmoronavam; ele acabou não fazendo nada. Também acabamos não fazendo mais checagens de três horas. Tocávamos apenas duas músicas, e então ele saía dali. Ele não suportava estar no mesmo quarto que nós. Foi a pior combinação possível de eventos para ele.
Se todos tivessem se dado bem, a música teria sido muito melhor?
Sim. Teríamos sido felizes na intercomunicação.
Como você desenvolveu sua capacidade de improvisar?
Eu recebi aulas de jazz em tenra idade. Um dos meus professores de baixo me ensinou como ouvir Ron Carter tocando atrás de Sonny Rollins, e mais tarde utilizei um conceito que aprendi - adicionando acordes de tom - no rock. Na maioria das vezes, quando estou tocando coisas estranhas contra coisas que soam normais, estou adicionando um acorde totalmente diferente. É semelhante à música clássica politonal ou bitonal e ao jazz, porque muitos acordes de jazz são apenas um acorde sobreposto a uma nota de baixo solo ou outro acorde. É a coisa mais simples do mundo. Acabei de dar US $ 2.000 em aulas.
Eu sei que deveria estar jogando muito menos. Eu nem deveria ter esse conhecimento. Os baixistas não deveriam ter idéias; eles deveriam ser funcionários. Se você é baixista de uma banda de rock, é por definição um idiota - porque não está fazendo nada além do que a música exige. Com Frank, porém, meu trabalho era servi-lo. Frank tinha necessidades diferentes em momentos diferentes, e foi aí que o funcionalismo de baixo nível entrou - e também foi onde eu estava ganhando meu dinheiro. Os momentos de liberdade improvisadora são quando eu pude fazer o que ninguém mais estava fazendo. O efeito Scott Thunes, querida.
Essa abordagem é o tipo de coisa que levou as pessoas a dizer que é difícil se dar bem? Sua insistência em seguir seu próprio caminho no palco?
Não, é definitivamente na minha vida pessoal. No palco, as coisas se transformavam em negativas apenas por pessoas que não gostavam dessa forma de comunicação - que não queriam que as pessoas deixassem seus papéis pré-determinados. Eles não perceberam o vínculo tácito que Frank e eu tínhamos na arena de cordas. Mas se eu dissesse a alguém para me deixar em paz, eu estava [na voz de Betty Boop] "sendo abrasiva". Se você me disser o que fazer, ficarei bravo. Se você disser algo estúpido, ficarei bravo. Se você tentar arrastar minha conversa para um nível imbecil, ficarei bravo - e sairei da sala. Eu preciso ouvir a beleza na verborragia e na musicalidade. Essa é a minha exigência.

Você disse que teve problemas com bateristas, mas em muitas gravações ao vivo você e o baterista estão muito certos. Há um eco de rolagens tão mortíferas que parece quase telepatia.
Essa é a coisa mais estúpida que eu já ouvi! Estou ouvindo e reagindo a ele - é tudo o que você está ouvindo. Na verdade, estou sendo levado pelo nariz. Tudo o que estou fazendo é dizer para mim mesmo: "O que há para reagir? Posso ouvir Frank, posso ouvir os teclados, mas conheço todos os riffs. A única coisa estranha pode ser a bateria". Por outro lado, você pode estar ouvindo uma orquestração que havíamos elaborado meses antes.
Então, como você acabou com os baixos da Fender?
Eu ouvi Tom Fowler no álbum de Frank, Roxy and Elsewhere [BarkingPumpkin]; ele tinha um P-Bass preto com um pickguard branco e tocava com um pick. Esse som me intrigou: rosnou e foi feio. No entanto, ele podia tocar todos esses riffs complicados, e não parecia muito técnico do jeito que ele fazia. Parecia ... muito legal. Nos meus primeiros anos com Frank, usei instrumentos Carvin, mas essa não era a minha voz. O primeiro ano em que usei o P-Bass foi em 1984; nessa época, Frank começou a me deixar fazer o que quisesse, e o que fiz não foi rançoso, foi bom. E em 88, quando ele me deu carta branca completa e absoluta, eu brilhava da melhor maneira que um baixista pode brilhar. Eu tinha o tom que queria, a amplificação que queria e a arena do artista.
Você me disse anteriormente que não se vê como um artista, mas como um artesão imperfeito.
Nos dois dias desde que discutimos isso, mudei de idéia. Você está absolutamente correto: eu sou um artista. Sou um artista ingênuo, como Howard Finster, que fez a capa do álbum de Little Creatures de Talking Heads. É arte folclórica - e pela maneira como ele pinta, parece que se ele tentasse construir uma cadeira, seria impossível se sentar. Minha reprodução de baixo não pode ser assistida. Não se destina a funcionalizar as quatro pernas da experiência de tocar baixo. É arte popular da maneira mais extrema e financeiramente remunerada. Frank me escolheu como seu jogador local de colher; tudo o que fiz foi mexer nas cordas, cruzar os dedos e torcer para não ser demitido na semana seguinte.
O que você acha da idéia de que você está dizendo: "Eu não fiz nada de especial no baixo" é realmente apenas uma maneira invertida de dizer: "Eu sou o melhor baixista do mundo"?
[Sopra framboesa enorme e ri ruidosamente.]
Afinal, o que isso quer dizer?
Bem, é difícil acreditar que você honestamente pensa que não é uma força criativa no baixo.
Não estendi o domínio do baixo. De jeito nenhum. Se você é um bom baixista, agora pode tocar tudo o que eu já toquei, se estivesse escrito e você praticasse por uma semana. Uma boa execução de baixo pode levá-lo ao topo, mas eu não estou no topo.
Toda a minha vida musical tem sido uma esquisitice após a outra. Tudo o que tentei não funcionou e, quando tento não fazer nada, as coisas acontecem comigo. Não há alegria em ser frustrado; não há glória na luta bem travada e perdida, principalmente na música. A música me achou desnecessário, mas me colocou aqui na felicidade pela primeira vez em anos, então não há tristeza.
Consegui algo que muitos músicos nunca terão: felicidade. Tudo o resto vem em segundo. Não quero sair como um monge zen em hibernação; não é que desci da montanha. Passei dez anos em Los Angeles, pensando que meus US $ 300 por semana no Dweezil eram os melhores que pude obter. Eu estava deprimido, mas fiz meu trabalho com a maior tranquilidade possível. E é isso que a maioria das pessoas quer. A maioria das pessoas só quer estar em uma banda de rock. Eles querem que suas idéias musicais sejam válidas. Prefiro que minha vida seja válida. Minha história não é tão ruim quanto as pessoas que perderam tudo, porque eu nunca tive nada a perder. Sempre busquei a felicidade e a encontrei. É tudo o que há para dizer.
Tarcísio Caetano
Tarcísio Caetano
Membro

Mensagens : 5878
Localização : Brasil

Voltar ao Topo Ir em baixo

Entrevista com Scott Thunes Empty Re: Entrevista com Scott Thunes

Mensagem por Tarcísio Caetano em Qua Maio 27, 2020 11:04 am

Dois trabalhos citados no texto:

https://open.spotify.com/album/2KmlLjck6t4HGgFdkIq4lw?si=7ol93kEPQZuVN-vV6XXcYw

https://open.spotify.com/album/18r6oyFgtFNEM3W15u1gzo?si=0NOHTnIyRjmSoueOKYl2Jg
Tarcísio Caetano
Tarcísio Caetano
Membro

Mensagens : 5878
Localização : Brasil

Voltar ao Topo Ir em baixo

Entrevista com Scott Thunes Empty Re: Entrevista com Scott Thunes

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum