Gostaria de reagir a esta mensagem? Crie uma conta em poucos cliques ou inicie sessão para continuar.

Ensaio de naipe

Ir em baixo

Ensaio de naipe Empty Ensaio de naipe

Mensagem por Voila Marques em Dom Set 02, 2012 8:21 pm

Ensaio de naipe Images?q=tbn:ANd9GcTVZnOLS1GEwjuEAGW3mSxSeyT7FDz4KEL-NBlVCjW20LxaYUmX
(foto: Orquestra de Contrabaixos Tropical)

A comunicação oficial do inspetor da orquestra jovem acabou por tirar o meu sono tão logo entrei para a orquestra:
- Dia 20 tem ensaio de naipe dos contrabaixos para a Nona Sinfonia, de Beethoven.
- É assim que vocês matam os que acabam de entrar para a orquestra? Não é a toa que tem ainda há vagas sobrando na orquestra...
- A orquestra não mata; os contrabaixos é que adoram se suicidar. Por isso, optamos pelo ensaio de naipe.
- É obrigatório?
- Obrigatório e eliminatório. A rima só conhece quem falta.

Faculdade, ensaio três vezes por semana da Quinta, de Beethoven, e quinze dias para me preparar para o tal do ensaio da Nona... E a bolsa de estudo oferecida pela orquestra, que fica impassível a essa matemática de somar sinfonias...

Meus dias voam, o sono faz modulações no meio da noite, e a insônia insiste em pensar que toda noite de preocupação é noite de balada.

Os ensaios da Quinta na orquestra me deram uma noção do que seria a Nona...

Meu naipe era um tanto quanto difuso e estranho.

Zenilda era a chefe de naipe.
Antipática e pedante, achava que todos os contrabaixistas do mundo lhe deviam alguma espécie de homenagem, mas nem para outro tipo de homenagem ela servia, coitada: feia de doer, daquelas que um travesseiro era pouco para cobrir a cara na hora do vamos ver, e com um corpo que era a tábua mais desbundada que eu já vi. Daria para fazer um contrabaixo, e só.
“Passar horas sentada naqueles banquinhos de madeira devem deixar o traseiro dela anestesiado... Meu Deus, como alguém pode querer tocar contrabaixo na orquestra e esquecer a bunda em casa? Deve ser por isso que ela é assim tão enjoada: carência de bunda!” – pensava eu, enquanto tentava elucidar o mistério que fez a Zenilda ser contrabaixista e o mistério mais misterioso que fazia a Zenilda conseguir ficar sentada naquele banco horrível, tão desbundada que era...

Mas ela se achava a contrabaixista mais contrabaixista do planeta.
“Pelo menos, ela não sofre com a realidade.” – diziam alguns colegas de outros naipes, que não eram obrigados a lidar com o ego da Zenildinha. E que ego!

Desafinada por milímetros, mas suficientemente desafinada para ser percebida como tal, Zenilda entrou para a orquestra jovem sem concurso, por indicação de um velho contrabaixista muito afeito às tábuas da Zenilda, talvez porque ele não pudesse ser tão exigente e eficiente como outrora, ineficiência essa famosa, que as más-línguas diziam se estender dos olhos até as partes bifurcantes.

Zenilda tinha também o dom especial de conseguir tocar uma sinfonia inteira sem perceber que estava dois compassos atrasada ou adiantada.

E a Zenilda das cocadas saia distribuindo patadas nos ensaios: “afina!”, “seu ritmo tá errado!”, enquanto tocava mais forte e tentava impor o seu jeito peculiar de tocar errado achando que estava mais do que certa.

Do lado dela se sentava Zeferino, o concertino, que tinha sido escolhido como tal não por merecimento ou concurso, mas por falta de opção mesmo.

Zeferino era zen. Zen noção e zen condições, e ainda por cima natureba, passava o dia a fumar umas canabis ecológicas, e ia para os ensaios completamente chapado, rindo à toa e mandando beijinhos até para as notas fora da Zenilda, que passavam voando pelo seu nariz.

Diziam na orquestra que o auge da performance do Zeferino aconteceu no dia em que a Zenilda teve uma caganeira de emergência e precisou ser substituída idem num concerto didático importante em que, além das criancinhas de escola, apareceram também o governador do estado e seu séquito de puxa-sacos, logicamente para promover o projeto de inclusão musical firmado entre o governo e a orquestra.
Durante apresentações didáticas é praxe o chefe de naipe mostrar o seu instrumento para o público e tocar alguma coisinha para que o público fique quieto pelo menos nessa parte do concerto, já que depois...

Bem, o Zeferino foi pego de surpresa, pois tava acostumado a ouvir a Zenilda se exibir nessas horas.
Mas a Zenilda tava no vaso. E agora, Zeferino?
Com os olhos vermelhos, mais maconhados do que nunca, ele sorriu para a plateia aquele sorriso bem apatetado e tocou quatro notas longas: sol – ré – lá – mi.
Sim, as cordas soltas do contrabaixo, sem uma notinha presa ou um atirei o pau no gato sequer, porque a mão esquerda dele devia estar num bode daqueles.
A plateia não aplaudiu e ainda ficou esperando o solo, que não apareceu e nem iria aparecer, enquanto o maestro anunciava outro instrumento o mais rápido possível, para evitar burburinhos.
Mesmo assim, depois do episódio ele continuou no cargo de concertino e a orquestra passou a ter uma caixa de primeiros socorros, com direito a muito Floratil, que era guardado sugestivamente junto com remédios para dor de cabeça e uma...rolha de cortiça.

A falta de uma opção que tocasse contrabaixo a contento era grande e o terceiro contrabaixista era o Danúbio, que não era o azul, mas que valsava entre duas faculdades e a orquestra, sem tempo para estudar nem para uma coisa, e menos ainda para duas ou três. Para piorar o quadro, morava lá na rua que partiu...

O Danúbio foi o primeiro contrabaixista concursado da orquestra e passou porque, como a bolsa de estudo era no valor de uma pochete, foi também o único contrabaixista inscrito.
O maestro era o único membro da banca julgadora. “Um é número ímpar” - alegava ele para se justificar, e acabou passando o Danúbio.

Dizem que o maestro era regente de coralzinho qualquer, e que nunca tinha regido uma orquestra.
Ele foi chamado para ganhar dinheiro no projeto da orquestra e não pensou duas vezes em aceitar o convite, assim como não pensou em nada ao aprovar o Danúbio, mesmo porque ele nunca tinha ouvido nada mais feio e cavernoso na vida, mas não podia demonstrar isso reprovando o único candidato de contrabaixo.
Parece que essa foi a primeira vez que ele ouviu um contrabaixo com arco na vida. E, dizem as línguas ferinas, que isso foi um estupro auditivo inesquecível tanto que, nos concursos seguintes, ele delegou a função de banca de contrabaixo ao próprio Danúbio e depois ao próprio naipe.

No primeiro ensaio da orquestra, o Danúbio começou a tocar tudo com os dedos, em pizzicato, para espanto total dos violinistas e violoncelistas de plantão até que, envergonhado, confessou que aquela era a primeira vez que ele tocava com arco na vida.
“Mas, e no concurso?” - perguntaram todos.
Para deleite da galera pasma, ele deu a entender - um tanto quanto constrangido -, que o estupro não fora bem auditivo, mas que ele era jovem, porém maior de idade, e ainda terminou dizendo que cada um cuidasse do seu próprio arco, pois remeter o arco ou retomar o arco era um problema de cada um, e que ele preferia retomar o arco, e pronto.

E o quarto contrabaixista sou eu, Duda, que passei para a orquestra mediante concurso, cuja banca julgadora eram Zenilda, Zeferino e Danúbio. Os três não entravam num acordo. A Zenilda não queria dividir o trono de única contrabaixista da orquestra com mais ninguém, mas o Zeferino e o Danúbio a convenceram de que, com mais gente no naipe, todos poderiam tocar mais suave. Aí, a lei do menor esforço venceu, e passei para a orquestra com todos os meus pum-pum-puns e ronc-roncs.

E chega o dia do ensaio de naipe...
Zenilda aboleta a sua tábua no banquinho e olha para todos com ares de quem caga cheiroso. Zeferino senta-se rindo de tudo e todos, parecendo ouvir piadas do espírito de Dragonetti e contar piadas para o falecido Bottesini. Danúbio, com o contrabaixo na mão, ainda em crise sobre como tocar com o arco, mas pelo menos bem resolvido com os arcos da vida. E eu com meus pum-pum-puns e ronc-roncs assumidos, quase familiarizada com o naipe capenga, se não fosse o maldito nervosismo...

Começamos o ensaio.
Zenilda dá de tocar forte a sua desafinação e a implicar com qualquer nota afinada que ousasse sobressaí-la.
- Zeferino, afina essa nota!
- Danúbio, segura o arco direito!
- Duda, esse seu som tá horrível!
E o clima começa a esquentar:
- Não concordo com esse dedilhado!
- Eu acho legal!
- Você se acha a tal, né? Com essa afinação mais troncha que essa sua...!
- Você que vá tomar ... conta do seu arco!
- Ô tábua de tocar contrabaixo, só porque aquele contrabaixista caquético e vesgo enxerga duas de você, não quer dizer que você toque por duas pessoas!
Entre desaforos e berros, de repente a Zenilda sai correndo pro banheiro, e fica por lá.
Eu saio correndo para o outro banheiro e também fico por lá.
- Cadê a caixa de primeiros socorros, gente?
- Só tem caixa quando é ensaio da orquestra. Ensaio de naipe tem não...
- É sempre assim: quanto mais gente tocando, mais m$%& soando...
- Pois é, o naipe de contrabaixo é o pum que anuncia...
- Então vamos para casa, porque hoje já cumprimos a nossa função de peido da orquestra!...

E assim, o ensaio acaba...


<a rel="license" href="http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/3.0/br/"><img alt="Licença Creative Commons" style="border-width:0" src="http://i.creativecommons.org/l/by-nc-nd/3.0/80x15.png" /></a>
<span xmlns:dc="http://purl.org/dc/elements/1.1/" href="http://purl.org/dc/dcmitype/Text" property="dc:title" rel="dc:type">Segredos Contrabaixísticos de Duda Pum-Pum-Pum Ronc-Ronc</span> by <a xmlns:cc="http://creativecommons.org/ns#" href="http://www.voilamarques.com" property="cc:attributionName" rel="cc:attributionURL">Voila Marques</a> is licensed under a <a rel="license" href="http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/3.0/br/">Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas License</a>.
Voila Marques
Voila Marques
FCBR-CT
FCBR-CT

Mensagens : 3060
Localização : Rio de Janeiro

http://www.voilamarques.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ensaio de naipe Empty Re: Ensaio de naipe

Mensagem por Voila Marques em Seg Set 03, 2012 1:05 pm

O "Ensaio de naipe" é o sétimo texto da Duda, escrito ontem à noite.
Como postei hoje mensagem no texto anterior, este aqui ficou prá "trás".
Aí que este bilhetim é para deixar o último texto de novo na frente do penúltimo, senão quase ninguém vai lê-lo... weed Tonto
Voila Marques
Voila Marques
FCBR-CT
FCBR-CT

Mensagens : 3060
Localização : Rio de Janeiro

http://www.voilamarques.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum